Belga morto no Rio de janeiro relatou agressões do marido ao irmão

Belga foi encontrado morto no apartamento onde vivia com o marido, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)
Belga foi encontrado morto no apartamento onde vivia com o marido, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)

O belga Walter Henri Maximilien Biot, marido do cônsul alemão Uwe Herbert Hahn, mandou fotos e mensagens ao irmão relatando que sofria agressões do companheiro. As informações são do portal g1.

Walter foi encontrado morto na última sexta-feira (5), em Ipanema, no Rio de Janeiro, onde vivia com o marido. A Polícia Civil informou que o cônsul é o principal suspeito do assassinato.

Um amigo da vítima relatou à polícia que, depois da morte, entrou em contato com o irmão de Walter Biot, que ainda não sabia da morte do belga. O irmão, então, mostrou conversas que teve com Walter, em que ele contava ter sido agredido por Uwe Hahn, no dia 17 de julho. Ele pretendia prestar queixa à polícia brasileira.

Walter enviou uma foto de um machucado no queixo e disse “é um inferno aqui com Uwe”.

O cônsul Uwe Herbert Hahn está preso no Rio de Janeiro e teve o habeas corpus negado pela Justiça no último domingo (7). Segundo o g1, o Consulado da Alemanha no Rio de Janeiro declarou que não vai se manifestar sobre o caso.

O que disse o cônsul

O cônsul alemão Uwe Herbert Hah, disse em vídeo gravado pela Polícia Civil, que o marido Walter Henri Maximilien Biot, estava bêbado e teria surtado, corrido e batido a cabeça antes de morrer na noite desta sexta-feira (5).

Segundo relatos do diplomata que está preso, ele e o marido, que estava bêbado, estavam sentados no sofá na sala e de repente, Walter se levantou como se tivesse em surto. Em seguida, correu para a varanda, tropeçou e caiu com o rosto virado para o chão.