Bem-vindo a Listenburgo: o país que não existe, mas se tornou viral

A União Europeia pode ter ficado desfalcada depois do Brexit, mas logo encontrou um substituto: Listenburgo, país localizado na Península Ibérica, na fronteira com Espanha e Portugal. Apesar de participar da UE, o país tem uma moeda própria, o Lis, além de hino nacional, uma bandeira alvirrubra com um gavião dourado no centro e uma estrutura consolidada de ministérios. Tudo isso em apenas cinco dias de vida do país fictício, que já atraiu atenção de empresas aéreas, streaming, aplicativos de navegação e redes multinacionais de fast food.

Como o Telegram: WhatsApp lança grupos com mais de mil participantes; no Brasil, novidade chega em 2023

Novidade: Criadores de conteúdo do Kwai poderão receber 'mimo' de até R$ 1 mil por dia de seguidores

Mesmo sendo uma nação de mentirinha, a República de Listenburgo arrancou risadas de internautas pelo mundo afora nas últimas horas. No país inventado, que permaneceu neutro na Segunda Guerra Mundial, a maconha é legalizada desde 2012, crimes como assassinato, estupro e pedofilia são passíveis de pena de morte desde 2003 e a capital Lurenberg possui uma extensa malha metroviária. Essas e outras curiosidades são fruto da vasta imaginação dos tuiteiros.

Quando tudo começou?

No dia 30 de outubro, um usuário francês chamado Gaspardo, que se denomina presidente de Listenburgo, decidiu zombar dos americanos e da fama que possuem de serem ruins em geografia. Ele publicou a imagem de uma mapa da Europa com um novo país desenhado acima da Espanha - um recorte “photoshopado” da França, de cabeça para baixo. Na legenda, ele brincou: “tenho certeza de que os americanos nem sabem o nome desse país”.

Na sequência, outro usuário respondeu ao tuíte, que já ultrapassa as 113 mil curtidas: “quem não conhece Listenburgo?”. A partir daí, uma infinidade de memes lotou a rede social.

Sem aviso prévio: Twitter é processado por demissão em massa e perde anunciantes

Foi criada uma conta oficial do governo de Listenburgo, que já conta com mais de 37 mil seguidores, além de mapas com visão de satélite e de relevo do país, bandeira, hino nacional e representações cartográficas das regiões, incluindo a Lurenberg e capital econômica, Veroja.

Conquistando o mundo

Uma página da República de Listenburgo chegou a ser criada na Wikipedia Francesa, contando em detalhes a história do local, mas foi derrubada. A existência de um próprio Grand Prix de Fórmula 1 e uma missão à lua de astronautas listenburgueses fazem parte das lendas do país, que já conseguiu uma vaga na Organização das Nações Unidas (ONU) e na OTAN.

No Tik Tok, a tag já contabiliza mais de 70 milhões de visualizações, e a brincadeira não parou por aí. Dezenas de perfis foram criados para representar empresas como McDonald’s, por exemplo, em Listenburgo, além de embaixadas de nações como França e Suécia. O Brasil, claro, não ficou de fora: o perfil da embaixada do país de mentirinha no Brasil publicou que o astro do futebol Neymar foi visto na cidade de Veroja.

Até perfis reais entraram na brincadeira. O Waze francês publicou: “Listenbourg, pelo menos sabemos como chegar lá!”. A página oficial das Olimpíadas tuitou boas-vindas à equipe Listenburguesa: “o número de delegações olímpicas para #Paris2024 aumenta de 206 para 207 com a chegada de Listenbourg”, diz a postagem.

A Amazon Prime Video francesa publicou um cartaz com um documentário sobre o país ibérico, com a data de lançamento para o dia 31 de fevereiro, satirizando a veracidade do local.

A companhia aérea Ryanair postou a imagem do mapa viral, dizendo que vai abrir uma nova sede no país.

Conteúdo ofensivo: Dancinha do TikTok pode acabar em demissão por justa causa. Entenda em que casos isso pode acontecer

Segundo portais internacionais, a piada se popularizou na França e no resto da Europa porque os franceses já foram vítimas de erros geográficos de americanos mais de uma vez. Há um caso de 2005 em que a CNN posicionou as cidades de Toulouse e Estrasburgo na Suíça e na Alemanha. Em 2014, a mesma emissora disse que a região ucraniana de Donbass ficava no Paquistão.