Berlusconi busca papel de liderança nas eleições da Itália

Berlusconi em Roma

Por Gavin Jones

ROMA (Reuters) - Ignorando a idade avançada, problemas de saúde, escândalos sexuais e uma condenação criminal, Silvio Berlusconi está no meio de mais uma campanha eleitoral italiana, enquanto o quatro vezes primeiro-ministro luta por um papel central após a votação.

Berlusconi, que completará 86 anos quatro dias após a votação de 25 de setembro, parece estar do lado vencedor, mesmo sendo agora o parceiro menor da aliança de direita que ele dominava.

As pesquisas de opinião dão ao seu partido conservador Força Itália cerca de 8% dos votos. Isso se compara com 12% para a Liga, de Matteo Salvini, e 24% para os Irmãos da Itália, de Giorgia Meloni, seus dois aliados de extrema-direita.

Juntos, o bloco deve facilmente prevalecer sobre seus divididos oponentes de esquerda e de centro, sugerem as pesquisas.

Meloni parece destinada a ter mais influência em uma futura coalizão, mas provavelmente ainda precisará do apoio de Berlusconi para decolar, permitindo que ele tenha peso em termos de decisões políticas e cargos no governo.

Berlusconi, que governou a Itália pela primeira vez em 1994, foi amplamente descartado depois que seu último governo foi afundado há 11 anos por uma crise de dívida e um escândalo por suas festas sexuais "bunga bunga" nos arredores de Milão.

Ele foi condenado por fraude fiscal em 2013, passou por uma grande cirurgia cardíaca em 2016, ficou gravemente doente com Covid-19 em 2020 e teve diversas entradas no hospital no ano passado com várias doenças. Ele muitas vezes faz confusão com as palavras, mas a aposentadoria parece a última coisa na mente do magnata da mídia bilionário.

"Ele quer permanecer vivo no sentido político, com coisas para fazer, coisas a oferecer, ele quer 'estar lá' o maior tempo possível", disse Giovanni Orsina, professor de política da Universidade Luiss de Roma que tem acompanhado de perto a carreira de Berlusconi.

Berlusconi tentou sem sucesso se tornar chefe de Estado em janeiro e pode ser candidato a presidente do Senado no novo parlamento. Mesmo sem um papel formal, ele estará ativo nos bastidores para tentar influenciar a política do governo.

Berlusconi fortaleceu seus laços com o líder da Liga Salvini, na tentativa de conter o domínio de Meloni sobre o bloco de direita, mas pesquisas sugerem que ela continua avançando às custas de seus aliados.

Berlusconi limitou amplamente suas aparições na mídia antes da eleição a discursos pré-gravados e entrevistas sem contestação com os três canais de televisão nacionais que possui, mas essas precauções ainda não são suficientes para evitar deslizes.

Apesar do inevitável declínio de poder e popularidade de Berlusconi, o professor de política Giovanni Orsina disse que suas conquistas ao longo de quase 30 anos ainda o tornam "um gigante" em comparação com seus rivais.

"Para o bem ou para o mal, em futuros livros de história sobre a Europa, Berlusconi terá quatro ou cinco páginas. A maioria dos outros candidatos a esta eleição dificilmente será mencionada", afirmou ele.

(Reportagem Adicional de Francesco Zecchini em Milão)