Bettina não sabe quanto investiu para chegar a R$ 1 milhão

TÁSSIA KASTNER
1 / 1
Bettina não sabe quanto investiu para chegar a R$ 1 milhão

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Milhares de investidores e usuários de redes sociais passaram os últimos dias ouvindo a história de Bettina, 22, que, em três anos, transformou R$ 1.520 em R$ 1,042 milhão.

Ela aparece em um anúncio virtual da Empiricus, casa de análise que se apresenta como site de conteúdo financeiro.

Bettina existe. Trata-se de Bettina Rudolph. Ela trabalha há um ano na Empiricus Research como "copywritter", é redatora de campanhas de venda dos relatórios da empresa.

A mais recente -e que a transformou em uma celebridade da internet- foi feita com base na carteira de investimentos dela.

Mas Bettina não sabe quanto efetivamente investiu para chegar ao seu primeiro milhão -não foram só os R$ 1.520 anunciados, é claro.

"Não sei, porque foi mês a mês. Nunca parei para fazer essa conta", diz em sua primeira entrevista sobre a polêmica "de R$ 1 mil a R$ 1 milhão em três anos".

Antes, falou a outros sites vinculados ao grupo que controla a Empiricus.

Quando investe, uma pessoa tende a querer saber qual foi o lucro obtido com a aplicação. No caso Bettina, não se sabe qual foi o retorno dos investimentos.

Ela conta que poupa cerca de metade do salário todos os meses. Bônus, quase 100%. Após os R$ 1.520, aplicou os R$ 35 mil que o pai poupou para ela desde que nasceu.

"Eu tinha privilégio, sim, eu não pagava a conta de luz, eu não pagava escola. Eu pegava toda a minha fonte de renda e colocava em ações", diz.

Desde março de 2018, quando foi contratada pela Empiricus e se mudou de Blumenau de volta a São Paulo, paga todas as suas despesas. A exceção é a conta de celular, que ainda é de Santa Catarina.

Bettina diz que começou a trabalhar aos 15 anos, dando aulas de dança. Fez bicos como modelo.

"Na época eu já trabalhava em mil coisas, eu sempre fui a menina dos bicos. Onde tinha dinheiro eu tava indo."

A entrada no mundo dos investimentos veio justamente por meio dos relatórios da Empiricus, conhecida pelo seu marketing agressivo.

Alguns desses anúncios renderam punições de órgãos reguladores, como "A estratégia capaz de transformar R$ 1.500 em mais de R$ 227 mil em apenas um mês".

O pai era cliente da Empiricus e enviava os relatórios para a Bettina e o irmão. Um dia ela começou a ler e a se interessar pelo tema.

Chegou a ter 98% do patrimônio em ações -a exceção era uma debênture e um título público. Diz que talvez isso tenha sido irresponsável, mas não se arrepende.

"Eu entrei numa época muito boa. Se você pegar o gráfico de micro caps [empresas de pequeno porte listadas na Bolsa] em 2016, estava a preço de banana. Aí eu comecei a ganhar dinheiro rápido e comecei a me apaixonar", afirma.

Segundo ela, essas ações triplicaram de valor no período. Como comparação, entre junho de 2016, quando Bettina começou, e esta segunda-feira (18), o Ibovespa, o principal índice do mercado acionário, subiu 104%.

Já a debênture ela carrega até hoje -com decepção, afirma.

"Eu fiz o erro de comprar uma debênture que eu só vou poder resgatar neste ano. Quando eu fui colocar esse dinheiro, meu pai falou 'vai nessa que é uma boa'. Eu não sabia que ia ficar preso esse dinheiro", diz.

"Eu não gosto de correr risco de crédito privado. A minha parte de renda fixa, eu quero ter só em título público e deixar para correr risco em ações."

Atualmente, a carteira de Bettina é bem mais diversificada.

Metade do milhão está aplicada em títulos públicos, sendo o valor dividido de forma mais ou menos equivalente entre Tesouro Selic e Tesouro IPCA+. A carteira tem ainda as ações compradas no passado, quatro fundos de ação, três ETFs (fundos que seguem índice, como o Ibovespa). Ela tem também dinheiro em fundos multimercado e imobiliários.

Em criptomoedas, investiu US$ 1.000 em março do ano passado: perdeu 60% do valor, mas não vai se desfazer do investimento.

A mudança feita no portfólio fará com que o patrimônio cresça em uma velocidade mais devagar daqui para frente, admite.

Ela reclama que atualmente não pode comprar ações individualmente, apenas por meio de fundos. Uma imposição por trabalhar na Empiricus, o que evita conflitos de interesse. Parte do investimento passado ela mantém.

"De uma carteira de 30 e poucas ações, eu perdi dinheiro com uma só. Foi a Technos." Comprou a pouco mais de R$ 4, vendeu por R$ 3. Atualmente o papel é negociado a R$ 2,38.

Bettina contou a história da família, queria reconhecer que, sim, tem privilégios, mas não na dimensão que as redes sociais fizeram parecer.

Cresceu em São Paulo, morando em uma casa grande em Alphaville. Quando o pai perdeu o emprego em uma multinacional, percebeu o problema de não fazer investimentos.

"Do dia para noite, eu vi meu pai desesperado. Não que eu passei fome, mas eu lembro do trauma de ver meu pai chorando."

Em 2012, sem conseguir um novo emprego, a família se mudou para Blumenau. Ele passou a trabalhar na empresa fundada pelo avô de Bettina, que era tocada pelo tio. É outro tema amplamente explorado pelas redes sociais.

"Meu pai tem menos de 10% empresa", diz.

A radiografia foi levantada e ela explica: cerca de R$ 500 mil é a fatia que o pai tem na companhia, o patrimônio total dele em empresas é de R$ 600 mil --uma delas é uma holding da família usada para planejamento tributário.

"Nem meu pai é milionário no Google", diz.