Beyoncé está irritada por descobrir história escravagista relacionada a diamante milionário que usou, diz jornal

·2 minuto de leitura

Na última semana, a cantora Beyoncé se tornou a primeira mulher negra a usar o diamante amarelo da joalheria americana Tiffany&Co e a quarta no mundo a tê-lo colocado no pescoço, posando ao lado de seu marido, o rapper Jay-Z. O que foi apontado como um importante acontecimento por personalidades negras de todo o mundo. A joia tem 128 quilates e é avaliada em 30 milhões de dólares, o equivalente a 160 milhões de reais aproximadamente.

No entanto, agora ela estaria irritada e desapontada por ter recebido críticas na internet e descoberto uma história de africanos que trabalhavam em condições precárias e em regimes análogos à escravidão relacionada a esta joia, segundo o jornal britânico The Sun. Além de todo o talento como cantora, ela também é conhecida pelo seu engajamento em causas sociais ao redor do mundo, o que inspira muitos dos seus fãs.

Segundo uma fonte que falou com o periódico britânico, ela estaria se sentindo enganada por não ter sido informada desta história, que fez a joia ser chamada de "Diamante de sangue".

"Beyonce está ciente das críticas e está desapontada e com raiva por não ter sido informada de perguntas sobre sua história. Ela achou que todos os detalhes haviam sido examinados, mas agora ela percebeu que o diamante em si foi esquecido", disse a fonte ao jornal.

Como parte do acordo com a cantora, a Tiffany promoteu doar 2 milhões de dólares, o equivalente a mais de 10 milhões de reais, a universidades para bolsas de estudos para alunos negros.

Este diamante teria sido escavado em 1877 na mina Beers 'Kimberly, na África do Sul ainda colonial. O mineração teria sido feita por mão de obra negra que trabalhava em condições precárias e era mal paga, além de serem forçados a trabalhar em alta velocidade, causando acidentes fatais muitas vezes. Ainda segundo a publicação, entre 1897 e 1899, 1.144 trabalhadores morreram vítimas de doenças provocadas por morarem em habitações sem água natural e saneamento básico.

O fundador da joalheria, Charles Tiffany, teria então comprado a joia em 1879.

"Quantos de vocês ativistas de consciência social possuem seus próprios diamantes? Você verificou de onde ele? Provavelmente não", respondeu Tina Lawson, mãe da cantora, nas redes sociais.

Antes de Beyoncé, as únicas pessoas que haviam usado a joia foram a socialite Mary Whitehouse, em 1957, a atriz britânica Audry Hepburn, em 1961, e a cantora Lady Gaga, na cerimônia do Oscar de 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos