Bia Figueiredo volta às redes após prisão do marido em operação do MPRJ e diz que seu bebê foi ameçado

Extra
·2 minuto de leitura

A piloto Bia Figueiredo retornou às redes sociais oito meses após o seu marido, Fabio Figueiredo Andrade de Souza, e seu sogro, Juracy Batista de Souza Filho, serem presos em uma operação desencadeada pelo Ministério Público do RJ, em junho de 2020. A dupla fazia parte da organização social de saúde Instituto dos Lagos Rio e foram acusados de desviar mais de R$ 9,1 milhões dos cofres públicos estaduais. Desde a operação Apagão, Bia de manteve calada. Nesta quinta-feira, dia 4, a atleta brasileira afirmou que foi "injustiçada" durante o vídeo que publicou no Instagram.

“Estou aqui de volta depois de muito tempo. Queria começar agradecendo a todas as mensagens de carinho e apoio que eu recebi nesse período. Tive um problema pessoal grave, que se estendeu para a área profissional e fui injustiçada. Eu vi minha vida virada de ponta-cabeça de um dia para o outro. Minha carreira, patrocinadores, empresas gigantescas que me apoiavam há mais de década, foram expostos de maneira completamente injusta e criminosa, assim como minha festa de casamento, amigos e parentes, que também foram expostos de maneira irresponsável e criminosa”, se defendeu.

Bia Figueiredo, que está com 35 anos e sem contrato com nenhuma categoria, ainda afirmou que foi ameaçada de morte assim como seu bebê, que está atualmente com seis meses.

“Me vi sendo linchada, agredida de várias formas, comecei a receber ameaças de morte, para mim, minha família e até para o meu bebê, sendo que eu nem faço parte desse processo, nunca tive qualquer contato ou atuação na área da saúde. E isso tudo eu estava entrando no nono mês de gravidez. Eu fiz o que acho que qualquer mãe faria, que foi me fechar, me isolar, para proteger a saúde do meu bebê que estava prestes a nascer”, fala no vídeo com quase 4 minutos.

A piloto não compete desde o início de 2020, quando ainda estava na Stock Car e se afastou porque engravidou. A atleta ficou conhecida por ser a única brasileira a pilotar um carro da Fórmula Indy, uma das maiores categorias do automobilismo.