Biden assegura a líderes árabes compromisso dos EUA com a região

Presidente dos EUA, Joe Biden, visita Arábia Saudita

Por Steve Holland e Aziz El Yaakoubi e Jarrett Renshaw

JEDDAH, Arábia Saudita (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse em uma cúpula árabe neste sábado que os EUA permaneceriam firmemente comprometidos com seus aliados no Oriente Médio e "não iriam a lugar nenhum", enquanto pressionava por uma aliança de segurança regional que integraria Israel.

Biden, que iniciou sua primeira viagem ao Oriente Médio como presidente com uma visita a Israel, apresentou sua visão e estratégia para o envolvimento dos Estados Unidos no Oriente Médio.

Ele também procurou usar a reunião em Jeddah para integrar Israel como parte de um novo eixo impulsionado em grande parte por preocupações compartilhadas sobre o Irã.

"Acreditamos que há grande valor em incluir o maior número possível de capacidades nesta região e certamente Israel tem capacidades significativas de defesa aérea e antimísseis, conforme necessário. Mas estamos tendo essas discussões bilateralmente com essas nações", disse um alto oficial do governo a repórteres.

Biden se concentrou na cúpula planejada com seis países do Golfo e Egito, Jordânia e Iraque, enquanto minimiza uma reunião com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman. Esse encontro atraiu críticas nos Estados Unidos por questões de abusos de direitos humanos.

"Nenhum país acerta o tempo todo, mesmo na maioria das vezes, incluindo os Estados Unidos. Mas nosso povo é nossa força. Nossos países com confiança para aprender com os erros se fortalecem", disse Biden.

"Então deixe-me concluir resumindo tudo isso em uma frase. Os Estados Unidos estão empenhados na construção de um futuro positivo na região, em parceria com todos vocês, e os Estados Unidos não vão a lugar nenhum."

Biden havia dito que faria da Arábia Saudita um "pária" no cenário global por causa do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018 por agentes sauditas, mas acabou decidindo que os interesses dos EUA impunham recalibrar, não romper, as relações com o maior exportador de petróleo do mundo.

O líder dos EUA disse que levantou o tema do assassinato de Khashoggi com o príncipe herdeiro saudita na sexta-feira e que ficar em silêncio sobre a questão dos direitos humanos é "inconsistente com quem somos e quem eu sou".

O príncipe herdeiro disse a Biden que a Arábia Saudita agiu para evitar uma repetição de erros como o assassinato de Khashoggi, mas que os Estados Unidos cometeram erros semelhantes, inclusive no Iraque, disse uma autoridade saudita.

(Reportagem adicional de Maha El Dahan em Jeddah e John Irish em Paris)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos