Biden assina lei de crimes de ódio para proteger cidadãos asiáticos

·1 minuto de leitura
Joe Biden denuncia violência contra a comunidade asiática no país, em 20 de maio de 2021

O presidente Joe Biden assinou uma lei de crimes de ódio nesta quinta-feira (20) com o objetivo de proteger os americanos de origem asiática, que sofreram um aumento "chocante" nos ataques durante a pandemia de covid-19.

Biden rejeitou o "veneno horrível" do racismo e lamentou que tantos membros daquela comunidade tenham sido "atacados, menosprezados, alvejados como bodes expiatórios" nos últimos meses.

"Muitos asiático-americanos temem por sua segurança", disse ele, antes de assinar a Lei de Crimes de Ódio, criada para acelerar a avaliação de casos relatados de violência racista, comunicar melhor este problema e ajudar os estados e comunidades locais a melhor combatê-los.

Em um evento raro em um Congresso altamente dividido, a Câmara dos Representantes aprovou o texto por 364 votos a 62. Algumas semanas antes, ele havia sido aprovado quase por unanimidade no Senado.

Muitas autoridades eleitas há meses denunciam o aumento da violência racial, alimentada em particular, dizem eles, por discursos culpando a China pela pandemia.

Um massacre em Atlanta em março, no qual seis mulheres de ascendência asiática foram mortas, acionou o alarme.

Em seguida, a divulgação do vídeo de um ataque violento a uma mulher asiática na casa dos 60 anos em Nova York também gerou uma onda de indignação.

O governador do estado, André Cuomo, lamentou que esse tipo de violência tenha se tornado "uma epidemia" no estado e no país.

Pessoas de ascendência asiática constituem cerca de 5,9% da população dos Estados Unidos.

jca/rle/mls/ll/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos