Biden avisa sobre número "substancial" de mortes causadas pelo Furacão Ian

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em visita à Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) em Washington.

Por Jarrett Renshaw

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quinta-feira que o Furacão Ian pode ser um dos mais mortais da história da Flórida, acrescentando que viajaria ao Estado quando fosse apropriado, e disse que o governador Ron DeSantis, um feroz rival político, agradeceu a resposta rápida do governo federal à tempestade.

"Este pode ser o furacão mais mortal da história da Flórida. Os números ainda não estão claros, mas estamos ouvindo relatos iniciais do que pode ser uma perda substancial de vidas", disse Biden durante uma visita à sede da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) em Washington.

Biden prometeu que o governo federal faria tudo o que pudesse para fornecer aos moradores da Flórida o que eles precisam após a tempestade, e alertou as empresas de energia para não se envolverem em manipulação de preços.

Biden, democrata, e DeSantis, republicano, podem ser rivais em uma disputa presidencial de 2024 e, antes que a tempestade ocorresse, o presidente planejava um forte ataque político em um comício na Flórida nesta semana.

DeSantis tem sido um crítico feroz das políticas de Biden em várias áreas, incluindo a pandemia de Covid-19 e a imigração.

O presidente descartou essa dinâmica na quinta-feira.

Biden disse que conversou com DeSantis entre quatro e cinco vezes, e o governador expressou agradecimento e apreço pelo apoio federal.

"Não se trata... de nada que tenha a ver com nossos desentendimentos políticos. Trata-se de salvar vidas, casas e negócios das pessoas", disse Biden.

Equipes de resgate e moradores da costa do Golfo da Flórida procuraram pessoas desaparecidas na quinta-feira, depois que a tempestade atingiu a área e causou grandes cortes de energia.

"Muitas famílias estão sofrendo", disse Biden. "Nosso país inteiro sofre com eles."

Biden disse que aprovou o último pedido de DeSantis para que o governo federal cubra o custo total da remoção de escombros e os custos para salvar vidas.