Biden confronta príncipe saudita sobre assassinato de Khashoggi

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente dos EUA, Joe Biden, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman Jeddah, se reúnem em Jeddah
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Steve Holland e Aziz El Yaakoubi e Maha El Dahan

JEDDAH, Arábia Saudita (Reuters) - O presidente norte-americano, Joe Biden, disse nesta sexta-feira que afirmou ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, durante conversas com o objetivo de reiniciar as relações com um aliado árabe fundamental, que o considera responsável pelo assassinato do jornalista do Washington Post Jamal Khashoggi.

Biden, falando após reuniões com os principais líderes da Arábia Saudita, disse que o príncipe, conhecido como MbS, negou seu envolvimento e que havia lidado com os responsáveis.

Biden cumprimentou MbS com os punhos fechados e trocou um aperto de mãos com o rei Salman após chegar à Arábia Saudita.

“Sobre o assassinato de Khashoggi, eu levantei o assunto na reunião, deixando claro o que pensava sobre isso naquela época e o que penso sobre isso agora”, disse Biden a repórteres.

“Fui objetivo e direto ao discutir isso. Deixei minha visão totalmente clara. Eu disse de maneira muito direta, para um presidente norte-americano se silenciar em uma questão de direitos humanos é inconsistente com quem somos e com quem eu sou.”

Os serviços de inteligência dos EUA dizem que o príncipe aprovou diretamente o assassinato de Khashoggi --um insider saudita que se transformou em crítico-- por agentes sauditas. Biden disse que o que aconteceu com Khashoggi é ultrajante.

“Ele basicamente disse que não foi pessoalmente responsável”, disse Biden, sobre a resposta do príncipe durante a reunião. “Eu indiquei que achava que ele foi.”

O presidente disse que eles também discutiram energia e que espera ver "mais passos" da Arábia Saudita, um grande produtor de petróleo, sobre energia nas próximas semanas.

Como candidato presidencial, Biden disse que a Arábia Saudita deveria se tornar um "pária" no cenário mundial por causa do assassinato. Ele disse nesta sexta que não se arrependia do comentário.

(Reportagem adicional de Jarrett Renshaw e Maha El Dahan em Jeddah, Jeff Mason, Trevor Hunnicutt, Alexandra Alpere e David Gaffen nos Estados Unidos, Lilian Wagdy e Omar Fahmy em Cairo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos