Biden conquista a Casa Branca e coloca fim à presidência de Trump

Sebastian Smith
·7 minuto de leitura

O democrata Joe Biden conquistou a Casa Branca, informou a mídia americana neste sábado(07), derrotando Donald Trump e encerrando uma presidência que convulsionou a política americana, chocou o mundo e deixou os Estados Unidos mais divididos do que em qualquer momento em décadas. 

As redes de notícias CBS, NBC e CNN anunciaram o resultado pouco antes das 11h30 (1630 GMT/ 13h30 BSB), quando uma liderança intransponível na Pensilvânia levou Biden, de 77 anos, ao topo na contagem estado a estado que decide a presidência.

"América, estou honrado por você ter me escolhido para liderar nosso grande país", disse Biden em um comunicado. 

"O trabalho que temos pela frente será difícil, mas eu prometo o seguinte: serei um presidente para todos os americanos - quer você tenha votado em mim ou não. Vou manter a fé que você depositou em mim." 

Trump respondeu rapidamente ao anúncio, acusando Biden de se declarar falsamente o próximo presidente. 

"Todos nós sabemos por que Joe Biden está se apressando em fingir que é o vencedor e por que seus aliados da mídia estão tentando tanto ajudá-lo: eles não querem que a verdade seja exposta", disse Trump em um comunicado. 

"O simples fato é que esta eleição está longe de terminar."

Para Biden, que obteve mais de 74 milhões de votos, um recorde, o triunfo após uma tensa competição conduzida durante uma pandemia global de coronavírus foi a coroação de seu meio século na política dos EUA, incluindo oito anos como vice do primeiro presidente negro dos EUA, Barack Obama. 

O resultado condenou Trump, de 74 anos - que fez tentativas frenéticas de alegar fraude e impedir a contagem dos votos - a se tornar o primeiro presidente de um mandato desde George H. W. Bush, no início dos anos 1990. 

O republicano, cuja maratona de coletivas de imprensa, tuítes e comícios de campanha barulhentos fizeram dele uma presença perpétua e barulhenta em casa e no exterior nos últimos quatro anos, não teve reação imediata. 

Mas desde a noite após a eleição de terça-feira, quando ele prematuramente reivindicou a vitória, Trump tem habitado um mundo cada vez mais desconectado da realidade de sua queda que se aproxima.

No sábado anterior, ele deixou a Casa Branca para jogar golfe, tuitando: "VENCEREI MUITO ESTA ELEIÇÃO!" 

E em um discurso extraordinário na Casa Branca à nação na quinta-feira - com a liderança de Biden nos resultados parciais já se consolidando rapidamente - ele afirmou que estavam "tentando roubar a eleição".

Apesar dos protestos de Trump, os resultados das centrais de contagem de votos em todo o país continuaram chegando durante toda a semana, sem relatórios confiáveis de irregularidades. 

E quando as redes de televisão dos Estados Unidos declararam que Biden havia assumido uma liderança insuperável na Pensilvânia, isso colocou o democrata acima do número mágico de 270 votos no colégio eleitoral. Trump não tinha como voltar.

- Centrista em tempos de divisão -

O maior comparecimento de eleitores de todos os tempos - cerca de 160 milhões de pessoas, segundo estimativas preliminares - se espalhou pelos Estados Unidos, favorecendo a promessa de calma de Biden à montanha-russa de Trump. 

Um centrista da velha escola, Biden rechaçou a enérgica ala esquerda de seu partido, ao escolher Kamala Harris, a primeira mulher negra em uma candidatura presidencial de um grande partido, como sua companheira de chapa. 

Embora um político de carreira - um grupo amplamente ridicularizado hoje - ele é visto por muitos como um personagem simpático, humanizado por ter suportado a perda de sua esposa e filha em um acidente de carro em 1972, e outro filho com câncer quatro décadas depois . 

No entanto, apesar de suas promessas fervorosas de restaurar a "alma" da América, Biden herdará um país abalado e furioso.

Os americanos estão profundamente divididos após uma campanha eleitoral na qual Trump deliberadamente alimentou divisões sobre muitas das questões mais delicadas do país, incluindo raça, imigração e posse de armas. 

E apesar dos críticos pintarem Trump como uma aberração, ele ainda ganhou os votos de cerca de 70 milhões de pessoas - muitas das quais podem não ter gostado do próprio Trump, mas consideram os democratas distantes de seus valores tradicionais. 

Esse abismo de entendimento entre as duas Américas provavelmente continuará a aumentar no Congresso, ameaçando a capacidade de Biden de governar em um momento de turbulência econômica e uma crise acelerada do coronavírus.

- Humilhação -

Para Trump, a derrota e sua saída da Casa Branca na transição em 20 de janeiro será acima de tudo uma história de humilhação pessoal. 

Ele chocou o país e o mundo quando conquistou a vitória em 2016 como um recém-chegado político, derrubando a experiente democrata Hillary Clinton em sua primeira chance de um cargo público. 

Então, durante grande parte de sua administração, ele parecia imune às leis normais da política. Seu estilo showbiz de dirigir o governo o tornou talvez o indivíduo mais assistido - e polêmico - do planeta.

Ele sobreviveu ao impeachment, rasgou as normas diplomáticas e foi tão onipresente na mídia que se colocou na consciência dos americanos comuns de uma forma nunca antes experimentada. 

Ex-astro de reality shows e celebridade imobiliária, ele demonstrava ser alguém que faria o que quisesse. Para as multidões em comícios, ele adorava se gabar "vamos ganhar tanto, você vai estar tão cansado de vencer". 

E para as pessoas de quem ele não gostava, seu insulto era "perdedor". Mas agora ele próprio é um perdedor - como talvez já temesse na manhã da eleição. 

"Ganhar é fácil", ele refletiu enquanto as pesquisas abriam. "Perder nunca é fácil. Não para mim."

- Pró-Biden ou anti-Trump? -

Biden garantiu sua vitória reconquistando os estados do meio-oeste da Pensilvânia, Michigan e Wisconsin - território democrata tradicional que Trump conquistou em 2016 com seu poderoso apelo aos eleitores brancos da classe trabalhadora. 

O democrata também tinha uma pequena maioria, já que a contagem de votos se aproximava do fim, no Arizona e em Nevada, enquanto a contagem na Geórgia estava tão próxima que o estado declarou que faria uma recontagem. 

Mas foi a conquista da Pensilvânia que selou o acordo, o que significa que mesmo se Trump de alguma forma ganhasse em todos os outros estados não anunciados, ele ainda não acumularia votos suficientes no colégio eleitoral. 

Biden construiu sua campanha enquanto se vendia para o resto do país como o líder responsável e estável necessário para enfrentar a crise da covid-19.

Rejeitando a atitude errática e frequentemente arrogante de Trump em relação a um vírus que matou mais de 230.000 americanos, Biden prometeu seguir os conselhos científicos e tomar as decisões difíceis necessárias para tentar deter a pandemia. 

Ele fez uma aposta, politicamente falando, ao não realizar o tipo tradicional de comícios de massa que Trump usava com grande efeito, insistindo que queria dar o exemplo seguindo as diretrizes do governo sobre distanciamento social. 

Sua campanha até evitou bater de porta em porta - outra tática básica, até mesmo essencial para atrair apoiadores que a equipe de Trump adotou com grande efeito.

E em um clima de partidarismo político feroz, onde quase todos os aspectos da vida agora são vistos através de lentes democratas ou republicanas, Biden prometeu repetidamente "ser um presidente para todos os americanos". 

Em muitos aspectos, porém, a eleição foi menos sobre Biden, fazendo sua terceira corrida presidencial, do que um referendo sobre Trump - uma figura de ódio para os oponentes e adoração aberta aos seus apoiadores. 

Alguns republicanos pediram a Trump que expandisse sua coalizão com um tom mais moderado voltado para eleitores independentes. 

Mas o mais polarizador dos presidentes tomou o rumo oposto, concentrando sua energia em sobrecarregar sua base central. Nas últimas semanas antes da eleição, Trump fez manifestação após manifestação com discursos radicais, muitas vezes totalmente isentos de fatos. 

Ele pintou os imigrantes ilegais como assassinos e estupradores, afirmou que Biden se opunha a Deus e disse que os democratas tirariam as armas particulares dos americanos. "Nós te amamos!" as multidões gritavam em volta. 

Confrontado com as pesquisas pré-eleitorais que apontavam para sua próxima derrota, Trump parecia genuinamente incapaz de compreender o que estava acontecendo. 

"Concorrer contra o pior candidato da história da política presidencial me pressiona", disse Trump. 

"Você pode imaginar se eu perder?"

bur-sms/ft/jc