Biden classifica apoiadores de Trump que invadiram Capitólio como 'terroristas domésticos'

Extra com agências internacionais
·2 minuto de leitura

O presidente eleito Joe Biden criticou Donald Trump nesta quinta-feira, dia 7, um dia depois que manifestantes pró-Trump invadiram o Capitólio, dizendo que o líder cessante causou um dos "dias mais sombrios" da história dos Estados Unidos, sendo uma "agressão implacável à democracia fomentada pelo presidente Donald Trump". Durante pronunciamento em Wilmington, Delaware, Biden classificou os apoiadores de Trump que invadiram o edifício como "terroristas domésticos".

"Ele lançou um ataque máximo às instituições de nossa democracia desde o início", declarou Biden." A invasão do Capitólio na quarta-feira foi um dos dias mais sombrios da história de nossa nação", acrescentou.

Enquanto apresentava nomeados para seu Departamento de Justiça, Biden pediu que os invasores ao Congresso não fossem chamados de "manifestantes".

"Não ouse chamá-los de manifestantes. Eles eram uma multidão rebelde, terroristas domésticos. É tão básico", disse o democrata Biden. "Nos últimos quatro anos, tivemos um presidente que deixou claro seu desprezo por nossa democracia, a Constituição, o estado de direito em tudo o que fez".

O caos no Capitólio dos EUA quando uma multidão pró-Trump invadiu o prédio que abriga o Senado e a Câmara dos Representantes se desenrolou depois que Trump passou semanas instigando seus apoiadores com falsas alegações de que a eleição de 3 de novembro foi roubada dele. Em um comício em frente à Casa Branca na quarta-feira, Trump pediu aos apoiadores que marchassem até o prédio.

"Ele desencadeou um ataque total às instituições de nossa democracia desde o início, e ontem foi apenas o culminar daquele ataque implacável", disse Biden.

A Câmara e o Senado deveriam certificar os resultados do Colégio Eleitoral, apesar das objeções de alguns legisladores republicanos, quando o Capitólio foi forçado ao fechamento por uma multidão que invadiu o prédio.

O Congresso se reuniu novamente horas depois e no início da quinta-feira confirmou a vitória da eleição presidencial de Biden. Ele tomará posse em 20 de janeiro..