Biden desiste de nomear Sanders para secretaria por risco de perder controle do Senado

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, afirmou nesta sexta-feira (8) que "pensou seriamente" em nomear Bernie Sanders para a Secretaria de Trabalho, mas desistiu da ideia por causa da necessidade de manter o controle do Partido Democrata sobre o Senado. "Tenho certeza de que ele faria um trabalho fantástico [...]", disse Biden. "Mas depois do resultado apertado na Geórgia, Bernie e eu concordamos que não podemos colocar o controle do Senado em risco." Na quarta-feira (8), foi anunciada a vitória de Jon Ossoff na eleição legislativa que definiu os dois representantes da Geórgia no Senado. Um dia antes, Raphael Warnock, outro democrata, já havia derrotado sua adversária republicana, Kelly Loeffler. Com o resultado, o Partido Democrata ficou com 50 das 100 cadeiras da Casa. Sob a legislação americana, em caso de empate no Senado, o voto de minerva é do presidente da Casa, cargo conferido ao vice-presidente do Executivo —no caso, Kamala Harris. Biden nomeou Marty Walsh, prefeito de Boston (capital do estado de Massachussetts), para a Secretaria de Trabalho. Walsh é conhecido por seu trabalho como líder sindical e apoia propostas pró-trabalhadores, como salário mínimo de US$ 15 (R$ 81) e licença remunerada.