Biden dirá à ONU que não acredita em 'nova Guerra Fria'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Biden, que ofendeu muitos aliados com a retirada de suas tropas do Afeganistão - a qual muitos viram como muito unilateral - e depois de provocar uma grave crise diplomática com a França por um acordo com a Austrália que afeta um grande contrato de armas com Paris, vai para Nova York com um discurso de união (AFP/Brendan SMIALOWSKI)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que discursará na terça-feira (21) em Nova York na Assembleia Geral das Nações Unidas, dirá que "não acredita na ideia de uma nova Guerra Fria", antecipou uma fonte de seu governo nesta segunda-feira (20).

Biden dirá que "não acredita na ideia de uma nova Guerra Fria com um mundo dividido em blocos", disse a fonte, em um contexto de alta rivalidade entre Washington e Pequim.

O presidente dos Estados Unidos "acredita em uma concorrência vigorosa, intensa e baseada em princípios", acrescentou.

Biden, que ofendeu muitos aliados com a retirada de suas tropas do Afeganistão - a qual muitos viram como muito unilateral - e depois de provocar uma grave crise diplomática com a França por um acordo com a Austrália que afeta um grande contrato de armas com Paris, vai para Nova York com um discurso de união, segundo este alto funcionário.

O presidente americano quer que a comunidade internacional saiba que "encerrou o capítulo sobre a guerra" e "abriu um capítulo dedicado à diplomacia americana personalizada, decidida e eficaz, definida pela cooperação com aliados e sócios (dos Estados Unidos) para resolver problemas que não podem ser (resolvidos) pela força militar".

Sobre a reputação internacional dos Estados Unidos, ele afirmou que "o contexto foi bastante positivo, apesar das diferentes perspectivas sobre o Afeganistão e dos problemas que estamos lidando atualmente com a França".

Sobre este último ponto, confirmou a informação fornecida por Paris de que Biden solicitou uma conversa telefônica com seu homólogo francês, Emmanuel Macron.

E acrescentou: "Estamos impacientes" para termos esta conversa telefônica.

aue/cjc/yow/dga/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos