Biden diz que EUA, Japão e Coreia estão mais alinhados do que nunca sobre Coreia do Norte

Joe Biden

Por Nandita Bose

PHNOM PENH (Reuters) - Os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul estão "mais alinhados do que nunca" sobre o "comportamento provocativo" da Coreia do Norte, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, neste domingo, enquanto seu assessor de segurança nacional prometeu uma resposta conjunta caso Pyongyang realize um sétimo teste nuclear.

Falando no Camboja após uma reunião trilateral com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, e o presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, Biden chamou os países de "aliados críticos" que compartilham as preocupações dos Estados Unidos com relação aos testes de mísseis da Coreia do Norte.

Os três líderes emitiram uma declaração conjunta elogiando "o nível sem precedentes de coordenação trilateral" que alcançaram e prometeram estabelecer laços ainda mais estreitos, especialmente no domínio da segurança. Biden também destacou o compromisso "robusto" dos EUA em defender ambos os aliados, disse o comunicado.

Yoon disse que as recentes provocações da Coreia do Norte mostram a "natureza contra o humanitarismo" de seu regime, enquanto Kishida disse que suas ações são "sem precedentes".

"Essa cúpula trilateral é oportuna, considerando que estamos prevendo mais provocações", disse Kishida no discurso de abertura da reunião de três vias.

"Espero fortalecer a coordenação entre os EUA, a Coreia do Sul e o Japão para responder com firmeza" às ações da Coreia do Norte, ele acrescentou.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse a repórteres a bordo do Air Force One que os três líderes planejam uma resposta coordenada se a Coreia do Norte realizar um sétimo teste nuclear, mas se recusou a fornecer detalhes.

"Você pode esperar uma resposta trilateral, bem coordenada entre os três países", disse Sullivan, acrescentando que a resposta pode incluir componentes de segurança, econômicos e diplomáticos.

Na declaração conjunta, os três líderes condenaram veementemente o número sem precedentes de lançamentos de mísseis balísticos pela Coreia do Norte neste ano e disseram que eles representam uma "grave ameaça" à paz e à segurança na região.

Eles disseram que um teste nuclear norte-coreano "seria recebido com uma resposta forte e resoluta da comunidade internacional", acrescentando que o Japão, a Coreia do Sul e os Estados Unidos coordenariam as sanções e trabalhariam juntos para fechar as lacunas no regime internacional de sanções.

Os líderes disseram que pretendem compartilhar dados de alerta de mísseis norte-coreanos em tempo real para melhorar a capacidade de cada país de detectar e avaliar a ameaça representada pelos mísseis que chegam, um passo importante para a dissuasão, paz e estabilidade.

Em outubro, um teste da Coreia do Norte disparou um míssil balístico mais longe do que nunca antes, enviando-o sobre o Japão pela primeira vez em cinco anos e alertando os moradores para se protegerem.

Os Estados Unidos vêm dizendo desde maio que a Coreia do Norte está se preparando para retomar os testes nucleares pela primeira vez desde 2017, mas ainda não está claro quando o país norte-coreano poderia conduzir tal teste.

(Reportagem de Nandita Bose em Phnom Penh, Soo-hyang Choi e Ju-min Parkin em Seul e Sakura Murakami em Tóquio)