Biden e Xi debatem sobre Taiwan, ação militar é vista como improvável

Presidentes da China, Xi Jinping, e dos Estados Unidos, Joe Biden, durante encontro em Bali, na Indonésia

Por Nandita Bose e Stanley Widianto

NUSA DUA, Indonésia (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta segunda-feira ao líder chinês, Xi Jinping, que os Estados Unidos elevarão sua posição de segurança na Ásia se Pequim não conseguir controlar os programas de desenvolvimento de armas da Coreia do Norte.

Biden disse em entrevista coletiva após seu primeiro encontro presencial com Xi desde que assumiu o poder que eles tiveram conversas contundentes sobre uma ampla gama de questões que estão contribuindo para os piores laços entre EUA e China em décadas.

Em um comunicado após a reunião, Xi chamou Taiwan de "primeira linha vermelha" que não deve ser cruzada nas relações entre as duas superpotências, disse a mídia estatal chinesa.

Biden disse que procurou assegurar a Xi que a política dos EUA em Taiwan não mudou, buscando diminuir as tensões sobre a ilha autogovernada. "Não acho que haja qualquer tentativa iminente por parte da China de invadir Taiwan", disse ele a repórteres.

Biden disse que se Pequim não for capaz de controlar a Coreia do Norte, os Estados Unidos farão mais para proteger ainda mais seus aliados na região.

Os dois lados estabeleceram um mecanismo para comunicações mais frequentes e o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, viajará à China para acompanhar as discussões, disse ele.

"Acho que nos entendemos", disse Biden. Antes do primeiro encontro presencial desde que Biden se tornou presidente, os dois líderes sorriram e apertaram as mãos calorosamente na frente de suas bandeiras nacionais em um hotel de luxo na ilha de Bali, na Indonésia, um dia antes de uma cúpula do Grupo dos 20 (G20) marcada para ser cheio de tensão sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia.

"É ótimo ver você", disse Biden a Xi, enquanto colocava um braço em volta dele, antes de uma reunião que durou pouco mais de três horas.

No entanto, Biden levantou uma série de tópicos tensos durante a reunião, de acordo com uma leitura da Casa Branca, incluindo levantar objeções dos EUA às "ações coercitivas e cada vez mais agressivas da China em relação a Taiwan", às "práticas econômicas não comerciais" de Pequim e práticas em "Xinjiang, Tibete e Hong Kong, e os direitos humanos de forma mais ampla".

Biden disse anteriormente que está comprometido em manter as linhas de comunicação abertas em nível pessoal e governamental.

"Como líderes de nossas duas nações, compartilhamos a responsabilidade, na minha opinião, de mostrar que a China e os Estados Unidos podem administrar nossas diferenças, evitar que a competição se transforme em conflito e encontrar maneiras de trabalhar juntos em questões globais urgentes que exigem nossa cooperação mútua", disse Biden em comentários feitos na frente de repórteres.

Respondendo a Biden, Xi disse que a relação entre os dois países não está atendendo às expectativas globais.

"Portanto, precisamos traçar o curso certo para o relacionamento entre China e EUA. Precisamos encontrar a direção certa para a relação bilateral avançar e elevar o relacionamento", disse Xi.

"O mundo espera que a China e os Estados Unidos lidem adequadamente com a relação", disse ele, acrescentando que espera trabalhar com Biden para trazer as relações entre os dois países de volta ao caminho certo.

(Reportagem de Nandita Bose, Fransiska Nangoy, Leika Kihara, David Lawder e Simon Lewis em Nusa Dua, Tian Lun Ye e Ryan Woo em Pequim)