Biden estende moratória da dívida estudantil por mais 90 dias

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 17.06.2014 - O atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 17.06.2014 - O atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou, nesta quarta-feira (22), a extensão da moratória do pagamento de dívidas por empréstimos estudantis por mais 90 dias, até 1º de maio de 2022.

"Nossa recuperação econômica é a mais forte do mundo. Mas eu sei que, devido à pandemia, muitos que pegaram empréstimo precisam de mais tempo para prosseguir com os pagamentos", disse o democrata em vídeo publicado no Twitter, ao anunciar a medida.

O pagamento de dívidas estudantis está suspenso no país desde o início da pandemia, em março de 2020, e seria retomado em 1º de fevereiro do ano que vem. O governo Biden vinha sofrendo pressão para estender a moratória e perdoar dívidas.

Em regra, o ensino universitário nos EUA é pago, e muitos estudantes precisam recorrer a empréstimos para concluir os estudos.

Por isso, os EUA acumulam US$ 1,7 trilhão (R$ 9,6 trilhões) em dívidas estudantis. Cerca de um terço dos tomadores de empréstimos estudantis estão inadimplentes ou com pagamentos atrasados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos