Biden evoca 'batalha pela alma' da nação em tributo a Martin Luther King

Joe Biden visita igreja em Atlanta

WILMINGTON, EUA (Reuters) - O presidente Joe Biden pediu aos americanos que olhem para a vida de Martin Luther King Jr. em busca de lições sobre como reparar as divisões no país, contra o extremismo e injustiça, neste domingo.

Ao se tornar o primeiro presidente dos EUA a falar em um culto de domingo na igreja do líder dos direitos civis em Atlanta, ele disse que o país e o mundo estão lutando contra forças autocráticas.

"O fato é que estou aqui em um momento crítico para os Estados Unidos e para o mundo, na minha opinião", disse Biden, chamando-o de "momento de escolha".

"Somos um povo que escolherá a democracia em vez da autocracia?", perguntou Biden. "Temos que escolher uma comunidade ao invés do caos. Será que nós vamos escolher o amor ao invés do ódio? Essas são as questões do nosso tempo e a razão pela qual estou aqui."

King trabalhou pelos direitos de voto, disse Biden, mas "fazemos bem em lembrar que sua missão era ainda mais profunda. Era espiritual. Era moral".

Um feriado nacional celebra o pastor referência no movimento dos direitos civis norte-americano na segunda-feira.

Domingo seria o aniversário de 94 anos de Marthin Luther King. Ele foi assassinado aos 39 anos em 1968 em Memphis, no estado do Tennessee, pelo segregacionista declarado James Earl Ray. King foi pastor da igreja Ebenezer desde 1960 até sua morte.

Keisha Lance Bottoms, ex-prefeita de Atlanta e diretora do Escritório de Engajamento Público da Casa Branca, disse a repórteres na sexta-feira que Biden faria "comentários refletindo a vida e o legado de Dr. King" e sobre como "podemos seguir em frente juntos".

Muitos presidentes, incluindo Biden, visitaram Ebenezer para homenagear King, geralmente durante eventos na época do aniversário do pastor.

Mas Biden se tornou o primeiro a discursar do púlpito em um culto matinal regular, de acordo com Lance Bottoms.

Na segunda-feira, Biden se encontra com o defensor dos direitos civis Al Sharpton em Washington e se reúne com seu grupo, a National Action Network.

Espera-se que Biden anuncie a candidatura à reeleição nas próximas semanas.

(Por Steve Holland)