Biden faz críticas duras a republicanos antes de comício

Presidente dos EUA, Joe Biden

Por Steve Holland

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, usou palavras duras para descrever os republicanos aliados de Trump nesta quinta-feira, em um evento de arrecadação de fundos antes de seu primeiro comício político para as eleições de novembro, referindo-se a uma "agenda extremista MAGA", em referência ao slogan de Trump que faz referência a "tornar a América grande novamente" e que, segundo ele, se aproxima do "semifascismo".

Biden, que inicia uma turnê de costa a costa nos EUA, quer oferecer seu apoio aos candidatos democratas e impedir que os republicanos assumam o controle do Congresso, alardeando as diferenças acentuadas entre os dois principais partidos norte-americanos.

O evento do Comitê Nacional Democrata, que acontece na noite de quinta-feira no colégio Richard Montgomery, em um subúrbio de Washington no Estado de Maryland, contará com uma série de líderes políticos do Estado.

O evento foi promovido por grupos como o provedor de saúde feminina Planned Parenthood e o de ativistas contra a violência armada Moms Demand, enquanto os democratas se baseiam em uma nova lei de segurança para armas de fogo e nas proibições ao aborto apoiadas pelos republicanos para melhorar suas perspectivas nas eleições de meio de mandato.

Uma autoridade do partido disse que Biden, que deveria falar às 20h (horário de Brasília), vai "destacar a escolha que os eleitores terão nas próximas eleições". Mais de 78% dos eleitores do condado de Montgomery votaram em Biden e na vice-presidente Kamala Harris em 2020.

Antes do comício, Biden se reuniu com doadores democratas para uma arrecadação de 1 milhão de dólares.

Caminhando com um microfone de mão, Biden detalhou a confusão que os Estados Unidos e o mundo enfrentam com as mudanças climáticas. Ele falou sobre a convulsão econômica e o futuro da China e criticou fortemente a direção do Partido Republicano.

"Estamos vendo agora o começo ou o fim de uma agenda extremista do MAGA", disse Biden, referindo-se ao slogan do ex-presidente Donald Trump. "Não é apenas Trump... É quase semifascismo", disse ele.

Os republicanos esperam surfar no descontentamento dos eleitores com a inflação para chegar à vitória em novembro, e eles têm a história a seu lado. O partido que controla a Casa Branca geralmente perde assentos no Congresso nas primeiras eleições de meio de mandato de um novo presidente, e analistas políticos preveem que os republicanos têm uma boa chance de assumir o controle da Câmara dos Deputados e possivelmente do Senado.

Os democratas detêm apenas uma maioria apertada na Câmara, enquanto o Senado está dividido igualmente, com o poder de desempate do vice-presidente dando aos democratas o controle.