Biden impulsiona enorme gasto em infraestrutura para 'século americano'

·2 minuto de leitura
O presidente americano, Joe Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, destacou nesta quarta-feira (7) a necessidade de impulsionar seu plano de grandes gastos com infraestrutura em um discurso no qual incentivou o país a se modernizar e criar "um século americano".

"Temos que pensar maior, temos que agir com mais ousadia e reconstruir melhor", afirmou o presidente em Crystal Lake, Illinois.

Biden, que tem viajado a estados de importância eleitoral para divulgar seu projeto, promoveu os dois planos que estão sendo analisados, esses por um Congresso fortemente dividido.

O primeiro plano tem um valor próximo a um trilhão de dólares e alguma possibilidade de receber apoio bipartidário, e tem como objetivo financiar uma grande reconstrução de estradas e pontes, eliminar as nocivas canalizações de chumbo dos sistemas de água e promover a expansão da internet de alta velocidade.

O segundo projeto, de potencial muito maior, expandiria a educação pública, creches e outras áreas com um maior custo, essas chamadas por Biden de "infraestrutura humana". Não tem apoio republicano, mas poderia ser aprovado por meio de um procedimento pouco comum se os democratas o apoiassem unidos.

Biden expressou sua confiança no primeiro plano e disse: "Acho que vamos fazer isso". A aprovação desse projeto seria uma vitória notável para o presidente em um Congresso onde os dois lados raramente chegam a acordos.

Apelidado de "infraestrutura pesada", o plano estabeleceria "a base para uma economia competitiva forte, duradoura e sustentável", segudno Biden.

No entanto, ele se concentrou no conteúdo do segundo pacote, ainda mais ambicioso, garantindo que um país com melhor educação era essencial "para realmente ganhar o século 21 e mais uma vez liderar o mundo".

"Precisamos investir em nosso povo", acrescentou, detalhando planos para a educação pré-escolar gratuita universal e dois anos de ensino superior comunitário gratuito depois do ensino médio, totalizando 14 anos de educação financiada pelo estado em vez de 12.

"Alguém acha que no século 21, com a mudança que está ocorrendo na tecnologia e em todas as áreas, 12 anos de educação são suficientes?", perguntou Biden.

"Qualquer nação que nos supere em educação vai competir conosco", ressaltou.

sms/ch/yow/lda/bn/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos