Biden insiste para que Rússia e China se envolvam em negociações nucleares

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente dos EUA, Joe Biden, durante reunião na Casa Branca
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos estão prontos para delinear um novo acordo de armas nucleares com a Rússia e pediram a Moscou que demonstre sua capacidade de negociar de boa fé, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, antes das discussões sobre não proliferação global na Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira.

Biden também pediu que a China "se envolva em negociações que reduzam o risco de erro de cálculo e abordem dinâmicas militares desestabilizadoras".

Autoridades de todo o mundo estão se reunindo em Nova York para a 10ª Conferência de Revisão do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), dois anos depois de ter sido adiada pela pandemia de Covid-19.

Historicamente, o controle de armas é uma área em que o progresso tem sido possível, apesar das amplas divergências. A conferência acontece cinco meses depois que a Rússia invadiu a vizinha Ucrânia e à medida que as tensões entre EUA e China aumentam em relação a Taiwan, a ilha autogovernada reivindicada por Pequim.

Moscou e Washington em fevereiro prorrogaram por cinco anos seu novo tratado START, que limita o número de ogivas nucleares estratégicas que ambos podem implantar e limita os mísseis e bombardeiros terrestres e submarinos.

"Hoje, meu governo está pronto para negociar rapidamente uma nova estrutura de controle de armas para substituir o novo tratado START, quando expirar em 2026", disse Biden em comunicado.

"Mas a negociação exige um parceiro disposto a operar de boa fé. E a agressão brutal e injustificada da Rússia na Ucrânia destruiu a paz na Europa e constitui um ataque aos princípios fundamentais da ordem internacional", disse Biden. "A Rússia deve demonstrar que está pronta para retomar o trabalho de controle de armas nucleares com os Estados Unidos."

Questionado sobre a declaração, uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Rússia questionou a seriedade das intenções de Washington, dizendo a Reuters: "Esta é uma declaração séria ou um ataque de hackers ao site da Casa Branca? Se ainda for sério, com quem exatamente eles pretendem discutir isso?"

Biden disse que a China também tem a responsabilidade de desempenhar um papel de liderança na não proliferação.

"Não há benefício para nenhuma de nossas nações, ou para o mundo, em resistir a um engajamento substantivo no controle de armas e na não proliferação nuclear", disse Biden, citando "este momento de incerteza e agitação no cenário global".

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que representará os Estados Unidos na reunião da ONU, ecoou o apoio de Biden ao TNP e seus países parceiros.

(Reportagem de Susan Heavey e redação da Reuters)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos