Biden mantém prazo e acelera retirada de Cabul após ameaças do Talibã

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·5 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pressionado por aliados a estender o prazo da evacuação de ocidentais e aliados de Cabul, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, decidiu manter o limite da presença de forças americanas no Afeganistão em 31 de agosto.

A decisão foi vazada pela Casa Branca à agência de notícias Reuters enquanto o americano se preparava para discutir a situação numa reunião virtual do G7 nesta terça-feira (24), clube das economias mais desenvolvidas do mundo.

O grupo aquiesceu e tentou mudar o foco dizendo que está pronto para negociar com os talibãs, a depender de algumas condições.

Pesou na conta a renovação das ameaças do Talibã, que retomou o poder na esteira da decisão de Biden de cumprir o acordo de paz com o grupo e retirar suas tropas do Afeganistão após 20 anos.

Em uma entrevista coletiva, o porta-voz Zabihullah Mujahid disse que o grupo não toparia a extensão. Nem ele nem os EUA comentaram, mas agências de notícia relataram um encontro na segunda (23) entre o diretor da CIA, William Burns, com o principal líder talibã em Cabul, Abdul Ghani Baradar.

Mujahid reafirmou o tom ameaçador do grupo na véspera e acrescentou que os EUA deveriam parar de ajudar "afegãos com qualificações" a deixar o país. Mais, afirmou que o grupo iria impedir que civis chegassem ao aeroporto e que fechou o acesso à Airport Road, via que separa o local do centro de Cabul, 5 km ao sul.

O diálogo travado com os americanos, esperado após duas décadas de guerra, parece insolúvel. Mujahid ainda voltou a prometer que as pessoas aglomeradas perto do aeroporto de Cabul não sofreriam represálias na volta para casa. "Nós garantimos sua segurança."

Os talibãs tomaram a capital no domingo retrasado (15), após conquistarem praticamente todo o país em duas semanas. A saída havia sido ordenada pelo presidente Biden em abril, encerrando os 20 anos da mais longa guerra americana, iniciada para punir o Talibã, que governava o Afeganistão desde 1996 e dava guarida aos terroristas da Al Qaeda que perpetraram os ataques do 11 de Setembro.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, havia convocado a reunião porque queria mais tempo para a retirada. Tinha apoio da Alemanha. Mas já na manhã desta terça seu secretário de Defesa, Ben Wallace, havia jogado a toalha e dito que a mudança era improvável.

Após a reunião, Boris ainda tentou dourar a pílula. Disse que o G7 definiu um mapa para conversar com o Talibã, mas que uma das exigências será a liberdade para quem quiser deixar o país após 31 de agosto —como as pessoas mais pobres o fariam, sem apoio militar, ele não respondeu.

Enquanto isso tudo se desenhava, as forças ocidentais aceleraram a retirada em Cabul. Segundo o Pentágono, 21.600 pessoas foram evacuadas entre segunda-feira e a manhã de terça, 8.900 das quais em aviões de países aliados. Desde o começo da crise, foram 63 mil os retirados.

Na reunião do G7, Biden afirmou que a "depender da coordenação com o Talibã" acerca do acesso ao local, o prazo seria atingido, segundo a porta-voz Jen Psaki. Ela disse que o Pentágono manterá planos de contingência.

Com a ameaça talibã, contudo, parece cada vez mais improvável que todos os civis que trabalharam para os ocidentais ou adversários do grupo consigam deixar o Afeganistão.

O aeroporto de Cabul e seu entorno é palco de uma crise humanitária, com um transe de 15 mil pessoas à sua volta, esperando uma oportunidade de participar da caótica evacuação.

Ao menos 21 pessoas já morreram, baleadas, pisoteadas ou mesmo caindo do trem de pouso de um avião em decolagem. É um desastre de imagem que Biden não esperava e que terá dificuldade para contornar.

Ainda nesta terça, a alta comissária das Nações Unidas para direitos humanos, Michelle Bachelet, acusou nesta terça o Talibã de uma série de violações na área, como execuções sumárias e perseguições a adversários e mulheres.

A ex-presidente chilena, contudo, não apresentou provas ou evidências, e apenas citou "relatos críveis" em fala no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, de acordo com agências de notícias.

A esta altura da crise no Afeganistão, apenas pouco mais de uma semana após a queda do governo e a volta ao poder do grupo fundamentalista islâmico, não haveria de ser muito diferente.

O país ainda tem um pequeno bolsão de resistência ao Talibã, no vale do Panjshir, e Cabul está submersa no caos do aeroporto.

Como diversos órgãos de mídia relataram ao longo dos dias, há um clima de terror entre potenciais alvos dos talibãs na capital e outras partes do país, apesar das promessas conhecidas do grupo de anistia geral.

Um jornalista que segue escondido com a família nos arredores da cidade contou, por meio de mensagens eletrônicas, a mesma história dita por Bachelet na Suíça: os talibãs estão fazendo buscas casa a casa atrás de pessoas que colaboraram com os ocidentais, particularmente tradutores, e também de alguns membros do antigo governo.

Por óbvio, a chilena evidenciou o risco para as mulheres, principais vítimas do regime brutal do grupo nos anos 1990, devido à sua leitura estrita e desviante do Alcorão e a uma aplicação literal da sharia, a lei islâmica.

"Há graves preocupações em relação às mulheres, aos jornalistas e a nova geração de líderes da sociedade civil", afirmou ela. A assembleia ouviu também Nasir Ahmad Andisha, embaixador do governo deposto junto aos organismos internacionais em Genebra, que reiterou os temores.

Na frente dos adversários americanos na crise, a China nesta terça disse que a confusão em Cabul é responsabilidade dos militares americanos. E o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que nunca empregaria tropas no país, pois "aprendeu a lição" dos dez anos de ocupação fracassada dos soviéticos no Afeganistão (1979-89).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos