Biden ordena retirada de tropas do Afeganistão e encerra 20 anos de ocupação

·2 minuto de leitura
President Joe Biden speaks about the American troop withdrawal from Afghanistan, in the East Room of the White House, Thursday, July 8, 2021, in Washington. (AP Photo/Evan Vucci)
Presidente Joe Biden na conferência de imprensa em que anunciou da participação dos EUA no conflito. Foto: AP Photo/Evan Vucci
  • Militares norte-americanos estão fora do país asiático até 31 de outubro

  • Conflito se iniciou após os atentados de 11 de setembro de 2001

  • "Quantos mais milhares de filhos e filhas americanos vocês querem colocar em risco?"

O presidente Joe Biden, anunciou nesta quinta-feira (8) que irá encerrar a missão militar dos Estados Unidos no Afeganistão e retirar todos os soldados do país no dia 31 de agosto, quase 20 anos após o início da guerra.

A Guerra do Afeganistão é considerada a mais longa na qual os EUA já se envolveram.

"Não fomos ao Afeganistão para construir uma nação. Líderes afegãos têm que se unir e conduzir o país rumo a um futuro", disse Biden em discurso na Casa Branca.

Na última semana, militares norte-americanos saíram da principal instalação militar do país no Afeganistão, a base aérea de Bagram, que foi entregue para o governo afegão.

No momento, ainda há soldados em uma pequena base em Cabul, capital do país asiático, que logo devem retornar aos EUA, segundo a agência de notícias Reuters.

Leia também:

A retirada de tropas já vinha acontecendo de forma progressiva há alguns meses. Chegou a ser uma promessa da campanha do ex-presidente Donald Trump, que foi continuada por Binden em janeiro, quando assumiu a Casa Branca.

Para o presidente, a guerra no Afeganistão é “invencível” pelas vias militares. "Quantos mais milhares de filhos e filhas americanos vocês querem colocar em risco?"

"Não vou mandar outra geração de americanos para a guerra no Afeganistão sem nenhuma expectativa razoável de se chegar a um resultado diferente", afirmou Biden.

O histórico da guerra

A ocupação norte-americana no Afeganistão começou após o atentado de 11 de setembro de 2011, quando terroristas derrubaram as Torres Gêmeas do World Trade Center, atingiram o Pentágono com um avião e derrubaram uma aeronave na Pensilvânia.

Os EUA invadiu o país no dia 7 de outubro, quando 90% do país era controlado pelo grupo armado Talibã, liderado por Mohammed Omar.

Afghan protesters shout anti-U.S. slogans during a protest at a mosque in the city of Herat February 23, 2012. An Afghan soldier joined protests on Thursday against the burning of copies of the Koran at a NATO base and shot dead two foreign troops, Western military sources said, as the Taliban urged security forces to turn their guns on foreigners. REUTERS/Mohammad Shoib (AFGHANISTAN - Tags: CIVIL UNREST RELIGION)
Afegãos protestam pela saída dos Estados Unidos de seu país em fevereiro de 2012. Foto: Reuters

O presidente na época, George W. Bush, enviou tropas após o governo do país se recusar a entregar Osama Bin Laden, apontado como responsável pelos atentados de 11 de setembro.

Bin Laden foi assassinado em 2011 por forças norte-americanas, no Paquistão, quando os EUA eram governados por Barack Obama.

A ONU calcula que mais de 100 mil civis morreram ou foram feridos nos últimos dez anos de conflito.
Desde o início da ocupação no Afeganistão, os EUA gastaram cerca de US$ 1 trilhão em despesas militares.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos