Biden planeja aumentar impostos sobre ganhos de capital dos mais ricos para financiar assistência infantil

Agências internacionais
·2 minuto de leitura

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Joe Biden, vai propor, na próxima semana, aumentar os impostos sobre ganhos de capital dos ricos para financiar importantes investimentos em assistência para crianças, educação pré-escolar e licença remunerada para trabalhadores, segundo fontes familiarizadas com o assunto.

A proposta elevaria as taxas a 39,6% para os que ganham US$ 1 milhão ou mais, contra os 20% atuais. O imposto de 3,8% sobre ganhos com investimentos que financiam o Obamacare seria mantido, podendo chegar, no total, a 43,4%.

Os mercados americanos caíram após a notícia. Por volta das 16h15 (hora de Brasília), o Dow Jones perdia 0,93%, seguido pelo S&P500, com recuo de 0,90%. O Nasdaq registrava perdas de 0,91%

A proposta pode reverter uma disposição de longa data do código tributário que impõe taxas de retorno sobre o investimento mais baixas do que sobre o trabalho.

Biden fez campanha para igualar os ganhos de capital e as taxas de imposto de renda para indivíduos ricos, dizendo que é injusto que muitos deles paguem impostos mais baixos do que os trabalhadores de classe média.

A expectativa é que Biden anuncie sua proposta na próxima semana, já que a Casa Branca disse que o presidente continua a se encontrar a equipe econômica para finalizar detalhes do Plano Familiar Americano.

Para as pessoas que ganham US$ 1 milhão em estados com altos impostos, as taxas sobre os ganhos poderiam ficar acima de 50%. Para os novaiorquinos, a taxa combinada sobre ganhos de capital estatais e federais poderia chegar a 52,2%. Para os californianos, por sua vez, chegaria a 56,7%.

Os Democratas disseram que as atuais taxas sobre ganhos de capital favorecem, principalmente, as pessoas com as maiores receitas através de investimentos em vez dos salários. Isso resulta em impostos mais baixos para pessoas ricas do que para os trabalhadores.

Já os republicanos argumentam que as taxas atuais sobre ganhos de capital fomentam a poupança e promovem o crescimento econômico futuro.