Biden prepara anúncio de novo chefe da Agência de Proteção Ambiental dos EUA

Trevor Hunnicutt e Jarrett Renshaw
·1 minuto de leitura
Presidente eleito Biden em evento em Wilmington, Delaware

Por Trevor Hunnicutt e Jarrett Renshaw

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - O presidente eleito Joe Biden planeja nomear o principal regulador ambiental da Carolina do Norte como chefe da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, sigla em inglês), segundo fontes com conhecimento das discussões, a última de uma série de indicações centrais de seu plano para enfrentar as mudanças climáticas.

A provável indicação de Michael Reagan, segundo três fontes, acontecerá depois da nomeação de chefes dos Departamentos de Energia, Transporte e Interior, assim como a criação de um novo gabinete de coordenação de políticas climáticas na Casa Branca.

O objetivo de Biden é levar os Estados Unidos a um saldo zero na emissão de gases do efeito estufa até 2050 - uma tarefa antes inimaginável que exigirá que o segundo maior emissor do mundo revolucione grandes partes da sua economia, de carros, caminhões e aviões a usinas de energias, fazendas e prédios.

O foco de Biden em enfrentar as mudanças climáticas marca uma mudança radical em relação aos quatro anos do governo do presidente Donald Trump, nos quais os Estados Unidos saíram do acordo de Paris e o governo federal trabalhou para aliviar regulamentações ambientais, dizendo que atrapalhariam a economia.

As fontes, que pediram para não serem identificadas, disseram à Reuters que Regan estava nos estágios finais de avaliação pela equipe de Biden. Se for confirmado, seria o primeiro homem negro a gerir a agência, mais um exemplo de um governo historicamente diverso.

Biden, que assumirá o poder em 20 de janeiro, também prometeu que sua principal prioridade será enfrentar a pandemia de coronavírus que matou mais de 307.000 norte-americanos.

(Reportagem de Trevor Hunnicutt em Wilmington, Delaware, e Jarrett Renshaw na Filadélfia)