Biden promete apoiar liberdade na Ásia e faz críticas à China sobre Taiwan

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Presidente dos EUA, Joe Biden, na Casa Branca
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

WASHINGTON/BANDAR SERI BEGAWAN (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse aos países do Sudeste Asiático na quarta-feira que os EUA os apoiarão na defesa da liberdade dos mares e da democracia e chamou as ações da China em relação a Taiwan de "coercivas" e uma ameaça à paz e à estabilidade.

Falando em uma cúpula virtual do Leste Asiático com a presença do premiê chinês Li Keqiang, Biden disse que Washington iniciaria negociações com parceiros do Indo-Pacífico sobre o desenvolvimento de uma estrutura econômica regional, algo que os críticos dizem que faltou à sua estratégia regional.

O Sudeste Asiático se tornou um campo de batalha estratégico entre os Estados Unidos e a China, que controla a maior parte do Mar do Sul da China, e Pequim aumentou a pressão militar e política sobre Taiwan, uma ilha autônoma que Pequim considera sua.

Biden reiterou que os Estados Unidos têm um compromisso "sólido como uma rocha" com Taiwan. "Estamos profundamente preocupados com as ações coercitivas da China", disse Biden, alegando que elas "ameaçam a paz e a estabilidade regionais".

Li Keqiang afirmou na cúpula, que reuniu líderes da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) com parceiros regionais, que defender a paz, estabilidade, liberdade de navegação e sobrevoo no Mar do Sul da China é do interesse de todos. "O Mar do Sul da China é nosso lar comum", disse ele.

(Reportagem de Ain Bandial em Bandar Seri Begawan e Tom Allard em Sydney)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos