Biden se reunirá com príncipe herdeiro saudita em visita ao Oriente Médio

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fará história no próximo mês com um voo direto entre Israel e Arábia Saudita, onde se encontrará com o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, abandonando os esforços para condenar ao ostracismo o líder de fato do reino petroleiro pelo assassinato de um dissidente.

A Casa Branca pôs fim, nesta terça-feira (14), a semanas de especulações, ao anunciar que Biden viajará para Israel, para o território palestino da Cisjordânia e para a Arábia Saudita de 13 a 16 de julho.

Esta será a primeira viagem de Biden ao Oriente Médio como presidente. Além de reuniões com líderes individuais nestes três lugares, o democrata participará de uma cúpula regional do Conselho de Cooperação do Golfo na Arábia Saudita. "Podemos esperar que o presidente se encontre com o príncipe herdeiro", disse a fonte oficial.

Há uma expectativa generalizada de que Biden buscará garantir um impulso na produção de petróleo saudita, em uma tentativa de controlar o aumento dos preços internacionais do petróleo bruto, dos combustíveis e a crescente inflação nos Estados Unidos antes das eleições legislativas de meio de mandato.

Seu encontro com o príncipe saudita, também conhecido como MBS, marcará uma controversa mudança de política. Como candidato à presidência, Biden condenou o assassinato em 2018 de Jamal Khashoggi, Nascido na Arábia Saudita com cidadania americana, este jornalista era conhecido por escrever artigos críticos sobre os governantes sauditas no jornal "The Washington Post". Biden chegou a afirmar que, por este ato, o reino havia transformado o país em um "pária".

As descobertas dos serviços de Inteligência dos Estados Unidos divulgadas pelo governo Biden identificaram MBS como o principal autor intelectual da operação.

Embora a Casa Branca tenha confirmado que a "segurança energética" será uma "questão" na Arábia Saudita, as autoridades enfatizaram que toda viagem tem objetivos diplomáticos mais amplos.

A secretária de imprensa, Karine Jean-Pierre, ressaltou que "esta visita à região do Oriente Médio é o ápice de meses de diplomacia", e não por causa de recentes preocupações políticas.

Biden terá contatos com vários líderes durante a breve turnê, buscando mostrar "o retorno da liderança americana" no plano internacional, disse à imprensa um funcionário de alto escalão do governo.

- Restabelecimento dos laços palestinos -

A viagem começa em Israel com uma reunião com seu primeiro-ministro, Naftali Bennett. Biden visitou este país pela primeira vez há quase 50 anos, quando era senador.

O presidente destacará o generoso apoio dos EUA às Forças Armadas de Israel, como o sistema antimísseis Domo de Ferro, em um momento de tensão pelo fracasso contínuo em ressuscitar o acordo internacional de 2015 para restringir o programa nuclear de Israel.

"Enquanto estiver em Israel, o presidente provavelmente visitará uma área onde esses sistemas defensivos são usados e discutirá novas inovações entre nossos países que usam tecnologias de laser para neutralizar mísseis e outras ameaças aéreas", disse o funcionário, que falou sob condição de anonimato.

"O presidente reafirmará o ferrenho compromisso com a segurança de Israel", enfatizou.

Mais tarde, Biden se reunirá com o presidente palestino, Mahmud Abbas, provavelmente na cidade de Belém, segundo a fonte.

Biden enfatizará "seu compromisso vitalício com uma solução de dois Estados" e restaurará os laços dos EUA com os palestinos, "quase rompidos" sob seu antecessor, Donald Trump (2017-2021).

- História e polêmica -

O voo de Biden de Israel para Jidá será o primeiro de um presidente americano que vai diretamente de um estado judeu para um reino árabe que não reconhece seu vizinho. Em 2017, Trump fez essa viagem, mas ao contrário.

Uma vez lá, Biden participará do Conselho de Cooperação do Golfo com líderes do Bahrein, Kuwait, Omã, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, além de ser acompanhado pelas autoridades do Egito, Iraque e Jordânia, detalhou o funcionário norte-americano.

Uma prioridade para Biden será manter a trégua recentemente estendida no conflito do Iêmen, assim como dissuadir o Irã de possíveis ameaças, "promover os direitos humanos e garantir a segurança alimentar e energética global", disse ele.

Biden também participará de uma cúpula virtual do chamado grupo diplomático I2-U2 de Índia, Israel, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos, com foco na "crise de segurança alimentar" causada pela invasão lançada no final de fevereiro por Rússia contra a vizinha Ucrânia.

A reunião mais reservada serão entre Biden e MBS.

"Podemos esperar que o presidente veja o príncipe herdeiro", disse o funcionário americano, rejeitando a ideia de que Biden esteja se afastando de seus princípios.

"A política dos EUA exigiu uma recalibração das relações", após o assassinato de Khashoggi, "não uma ruptura", disse ele.

sms/jh/llu/dga/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos