Biden sofre pressão para expulsar Bolsonaro dos EUA

Repercussão dos atos terroristas de domingo intensificaram pressão sobre Biden

Biden enfrenta pressão para expulsar Bolsonaro do país - Foto: REUTERS/Evelyn Hockstein
Biden enfrenta pressão para expulsar Bolsonaro do país - Foto: REUTERS/Evelyn Hockstein
  • O presidente norte-americano Joe Biden enfrenta pressão pela extradição de Jair Bolsonaro

  • Membros do Partido Democrata cobram atitude do líder dos Estados Unidos

  • Bolsonaro está hospedado nos Estados Unidos desde o fim do ano passado

O presidente norte-americano Joe Biden tem enfrentado pressão do próprio partido para definir a expulsão de Jair Bolsonaro (PL) dos Estados Unidos.

O ex-presidente brasileiro está hospedado na Flórida, na casa do ex-lutador de MMA José Aldo. Na última segunda-feira (9), ele foi internado com fortes dores abdominais, mas seu quadro evoluiu positivamente e ele pode ter alta em breve.

Segundo o blog de Sandra Cohen no portal g1, no entanto, a presença de Bolsonaro nos EUA é vista com maus olhos pelos democratas, que defendem sua extradição.

A presença do ex-presidente em território norte-americano passava quase desapercebida por boa parte da população local, com exceção dos poucos apoiadores que se reuniam diariamente na frente da casa de José Aldo.

Tudo mudou, no entanto, com os atos terroristas protagonizados por bolsonaristas no último domingo (8) em Brasília.

Bolsonaro é tido como um dos principais responsáveis pelas invasões e depredações dos prédios dos Três Poderes, uma vez que sempre incitou atos antidemocráticos.

As imagens dos episódios de violência na capital federal rodaram o mundo, chegaram aos Estados Unidos e fizeram com que os olhares se voltassem para Bolsonaro.

“Os EUA não devem ser um refúgio para este autoritário, que inspirou o terrorismo doméstico no Brasil. Ele deveria ser mandado de volta ao Brasil”, considerou o congressita democrata Joaquín Castro em entrevista à CNN.

Deputadas democratas como Alexandria Ocasio-Cortez e Ilham Omar também foram às redes sociais cobrar a expulsão do ex-presidente brasileiro do país.

Os clamores foram intensificados depois da notícia de que Bolsonaro havia entrado nos EUA com o visto A-1, reservado a chefes de estado, mesmo a dias da posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Biden ligou para Lula (PT) por conta dos atos terroristas de bolsonaristas em Brasília. A chamada do mandatário norte-americano dá o tom de como os ataques sofridos pelo Brasil preocupam a comunidade internacional.

O que Biden falou para Lula? Segundo uma nota do governo federal, "o presidente Biden transmitiu o apoio incondicional dos Estados Unidos à democracia do Brasil e à vontade do povo brasileiro, expressa nas últimas eleições do Brasil".

Posicionamento de Biden

Joe Biden e a vice Kamala Harris também se apressaram em condenar publicamente os atos de violência ocorridos em Brasília e manifestaram apoio a Lula.

Ambos estariam incomodados com a presença de Bolsonaro no país, mas a extradição ainda estaria distante de acontecer diante da complexidade que envolve o processo de deportação de um ex-líder nacional.

Como se organizaram os atos terroristas em Brasília? A linha do tempo interativa abaixo te mostra, clique e explore:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Obras de arte foram destruídas, itens roubados e o prejuízo ainda é calculado pelas autoridades. Veja a lista completa de obras destruídas nos ataques. Até o fim da segunda (10), pelo 1.500 envolvidos no episódio já haviam sido presos.