Biden tem desempenho melhor que Trump nos primeiros 100 dias, aponta pesquisa Reuters/Ipsos

Chris Kahn
·2 minuto de leitura
Presidente Joe Biden discursa na Casa Branca, em Washington (EUA)

Por Chris Kahn

NOVA YORK (Reuters) - Mais da metade dos norte-americanos aprova o presidente Joe Biden após quase 100 dias no cargo, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos divulgada nesta terça-feira, um nível de apoio jamais atingido por seu antecessor republicano, Donald Trump, e que deve ajudar os democratas a impulsionarem projetos de infraestrutura e outros temas da pauta de Biden.

A pesquisa de opinião nacional com 4.423 adultos realizada entre 12 e 16 de abril mostrou que 55% aprovam o desempenho de Biden no posto, que 40% o desaprovam e que o restante não tem certeza.

Biden recebeu a avaliação mais alta pela forma que tem enfrentado a pandemia de coronavírus, com 65% de aprovação. Em janeiro, 38% aprovavam a abordagem de Trump para a crise de saúde. Entre os democratas, 90% disseram aprovar a abordagem de Biden, enquanto 61% dos independentes e 39% dos republicanos aprovam o presidente na área, de acordo com a sondagem.

Para 52% dos norte-americanos, Biden tem desempenho positivo na economia, e 53% disseram o mesmo sobre seu impacto nos empregos -- nos dois casos alguns pontos percentuais acima das avaliações de Trump nos quesitos emprego e economia em seus últimos meses na função.

Mas Biden recebeu críticas em relação à imigração, já que seu governo continua passando apuros com uma disparada de imigrantes na fronteira com o México: 42% aprovaram a política imigratória do presidente e 49% a rejeitaram.

Mais da metade deu notas altas a Biden pelo bipartidarismo, mas os democratas estão muito mais inclinados a louvá-lo por unificar o eleitorado profundamente dividido. Cinquenta e seis por cento chancelaram os esforços de Biden, sendo 88% de democratas, 23% de republicanos e 48% de independentes.

Os norte-americanos também se mostraram em geral mais receptivos à postura de Biden quanto ao meio ambiente e à desigualdade racial, já que 54% e 51% respectivamente aprovam sua atuação até agora.

Biden se beneficia em parte de circunstâncias que estão fora de seu controle. Ele teve meses para preparar sua reação à pandemia antes de se tornar presidente, e algumas vacinas contra coronavírus já estavam em uso antes de sua posse de 20 de janeiro.

A economia que ele comanda também tem a vantagem de ser comparada à recessão de 2020, ano em que os empregadores dispensaram milhões porque a Covid-19 forçou o fechamento de negócios e escolas.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF