Biden vê acordo sobre 'questões substantivas' na cúpula das Américas após críticas de líderes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente dos EUA, Joe Biden, insistiu nesta quinta-feira que há unidade na Cúpula das Américas, depois que os líderes da Argentina e Belize o criticaram abertamente por excluir do encontro regional três líderes de esquerda.

Primeiro encontro com Biden: Bolsonaro levanta suspeita sobre eleições no Brasil e diz que preserva Amazônia

Contexto: Propostas de Biden têm baixo engajamento e reforçam clima de fracasso da Cúpula das Américas

Subsecretário do Departamento de Estado americano: 'A relação entre EUA e América Latina é como um casamento'

— Apesar de algumas divergências relacionadas à participação, em questões substantivas, o que ouvi foi quase unidade e uniformidade — disse Biden.

O presidente americano disse que viu "uma concordância quase total" em questões como gerenciamento de migração e combate às mudanças climáticas, e pediu mais discussões sobre os detalhes antes do encerramento da Cúpula, na sexta-feira.

Biden se recusou a convidar os líderes esquerdistas de Cuba, Nicarágua e Venezuela, descrevendo-os como autocratas não bem-vindos em uma cúpula dedicada à democracia.

Críticas duras de Fernández

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, recusou-se a comparecer em protesto à exclusão dos outros países latino-americanos. E o presidente da Argentina, Alberto Fernández, que foi persuadido a comparecer após um telefonema de Biden, criticou a decisão na frente do presidente dos EUA na cúpula em Los Angeles.

Em discurso duro com os EUA: Fernández diz que 'teria gostado de outra Cúpula das Américas'

Guga Chacra: 'Ajuda' de Biden para Amazônia é 1% da concedida à ditadura do Egito

— Ser o país anfitrião da cúpula não concede a capacidade de impor um direito de admissão aos países membros do continente — disse Fernández.

Mais tarde, Fernández apertou a mão de Biden antes que o presidente americano, que compareceu à cúpula ao lado da vice-presidente Kamala Harris, voltasse para falar e abordar as críticas.

Gabriel Boric: Estrela na Cúpula das Américas, chileno faz cobranças a Bolsonaro

Cúpula: EUA anunciam investimento privado anti-imigração de US$ 1,9 bilhão

Biden também foi criticado por Johnny Briceño, primeiro-ministro de um dos menores países da região, Belize, que disse ser "indesculpável" não convidar todos os países.

Elogiando a exportação de médicos cubanos — uma prática que as autoridades americanas denunciam como tráfico — Briceño chamou as sanções americanas a Cuba de "crime contra a humanidade".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos