Bienal do Livro Rio chega a todo o Brasil com plataforma digital

O Globo
·3 minuto de leitura

RIO — A Bienal do Livro Rio agora é Bienal do Brasil, do mundo. A organização do festival lança, nesta segunda-feira 1º de fevereiro, sua plataforma digital, um hub de cultura e mercado literário, onde o público de qualquer lugar do mundo terá acesso gratuito à conteúdos inéditos, nos mais variados formatos.

Conexão criativa: Ibmec cria hub de empreendedorismo para conectar alunos e investidores

Com novidades constantes, a nova plataforma será hospedada no site da Bienal (www.bienaldolivro.com.br). Textos, vídeos, podcasts, entrevistas e até experiências interativas com autores nacionais e internacionais fazem parte do planejamento.

De acordo com a a diretora da GL events responsável pela organização da Bienal, Tatiana Zaccaro, o público pode esperar conteúdo de qualidade, debates interessantes, autores consagrados e personalidades de destaque do universo cultural, assim como acontece no evento presencial, que está programado para acontecer em setembro, no Rio de Janeiro.

— A construção do conteúdo da Bienal é tão rica que um encontro de dez dias a cada dois anos já não era suficiente. A Bienal agora será permanente e com um alcance enorme, o público já nos pedia isso, estamos animados com a possibilidade de levar a Bienal para as casas de todos os brasileiros. A plataforma é uma possibilidade para que quem nunca teve a oportunidade de vivenciar o evento sinta um pouquinho do clima do festival — explica.

Programação de lançamento

Assuntos relacionados a temas atuais como mercado de trabalho, racismo, feminismo e política estarão em pauta, assim como narrativas de ficção, temas infantis, do universo geek e muito mais. Para o lançamento da plataforma, a Bienal presenteia o público com uma entrevista com Itamar Vieira Júnior, autor do aclamado “Torto e Arado” vencedor de prêmios como Jabuti e Oceanos no Brasil e Leya em Portugal.

Já o diretor de cinema Cacá Diegues compartilha com os leitores dicas de filmes imperdíveis adaptados da literatura nacional. Além dos convidados especiais, a plataforma vai disponibilizar também matérias sobre literatura infantil, feminista, LGBTQIA+, sociedade, games, etc.

Plataforma com

Segundo Tatiana, durante o evento físico, os visitantes adquirem uma média de 6,2 livros por pessoa – muitos deles carregam malas cheias de novidades e exemplares para toda a família. Para esses amantes literários, a plataforma da Bienal contará com e-commerce, em parceria com o Submarino.

—Todo aquele ambiente convidativo e estimulante faz com que as pessoas sintam ainda mais vontade de ler. O mesmo acontecerá na nossa plataforma: conteúdo com qualidade para todos os públicos, além de experiências exclusivas com autores. O evento físico passará a ser a celebração de toda essa construção que estamos fazendo na plataforma — adianta Tatiana.

A editora executiva do selo Galera da editora Record, Rafaella Machado, uma das Editoras parceiras da Bienal, acredita no potencial da plataforma para o mercado da venda e divulgação de livros.

— A Bienal do Livro sempre foi um espaço importantíssimo para divulgação de literatura jovem, e mesmo com a pandemia, essa importância só aumentou. Uma única ação digital do evento vendeu em 24 horas 2000 exemplares de um dos nossos lançamentos — conta ela.