Bienal de SP cobre obras de Jaider Esbell com tecidos pretos em forma de luto

·1 min de leitura
SÃO PAULO - SP - BRASIL - 13.11.2020: Obra A guerra dos Kanalmés, do artista brasileiro Jaider Esbell. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
SÃO PAULO - SP - BRASIL - 13.11.2020: Obra A guerra dos Kanalmés, do artista brasileiro Jaider Esbell. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Todas as obras do artista plástico Jaider Esbell exibidas na 34ª Bienal de São Paulo estão cobertas por um tecido preto, como símbolo de luto e homenagem à memória do macuxi, morto nesta terça (2). A decisão foi da Fundação Bienal.

Instalados na quinta, os panos ficarão sobre as obras até o fim desta sexta, mesmo dia do sepultamento do artista.

"A decisão de cobrir as obras de Jaider Esbell foi tomada de maneira conjunta pela Bienal de São Paulo e os parceiros do artista, incluindo os cocuradores da exposição Moquém_Surarî, no MAM São Paulo, e a Galeria Jaider Esbell, como símbolo de luto e homenagem à sua memória", afirmou uma porta-voz do evento, em nota.

Um dia após a morte de Esbell, que não teve causas reveladas, fãs deixaram flores em frente às obras expostas na Bienal, que foram mantidas após a inclusão dos panos.

Além dos tecidos, a organização da Bienal informou que "os eventos programados na exposição para este sábado, às 16h, Conversação com Sueli Maxacali, Isael Maxacali e Paula Berbert; e para o domingo, às 11h, Ciclo Bienal dos índios --ativação da obra de Sueli Maxakali-- foram suspensos devido ao falecimento do artista".

Jaider Esbell nasceu em 1979, em Normandia, no estado de Roraima, na terra indígena Raposa Serra do Sol, e se consolidou nos últimos anos como uma das figuras centrais da arte indígena contemporânea no país, ao lado de nomes como Denilson Baniwa e Isael Maxakali.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos