Bienal de SP rende mais US$ 650 mil em negócios internacionais para editoras

As rodadas de negócios entre editoras nacionais e estrangeiras promovidas durante a Jornada Profissional, evento ligado à Bienal Internacional do Livro de São Paulo, renderam bons frutos para o mercado brasileiro. Estima-se que, nos próximos 12 meses, a Jornada Profissional garanta mais de US$ 650 mil em negócios internacionais para as editoras brasileiras. Cerca de 20% dos contratos já foram fechados.

José Simão: ‘Nunca neste país o humor foi coisa tão séria’

Matilde Campilho: 'O mundo de hoje não dá tempo para pensar e quer respostas rápidas'

Segundo a Câmara Brasileira do Livro, entre os dias 29 de junho e 2 de julho, foram comercializados US$ 104.550 em direitos autorais, ou seja, venda dos direitos de publicação de um título nacional por uma editora estrangeira. Também foram vendidos US$ 119.100 em livros nacionais prontos para serem comercializados no exterior — em português ou já traduzidos para outros idiomas pelas próprias editoras brasileiras.

A Jornada Profissional é realizada pelo Brazilian Publishers, projeto que visa à internacionalização da literatura brasileira, fruto da parceria entre a CBL e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil). Participaram do evento representantes de 20 editoras de países como México, Colômbia, Estados Unidos, Portugal e Egito. Também marcaram presença 44 editoras brasileiras.

Resgate: Sucesso no início dos anos 1900 e depois esquecida, obra de Júlia Lopes de Almeida ganha reedições

— A Jornada Profissional trouxe às editoras participantes muitos acordos e oportunidades de bons negócios. O programa aproximou ainda mais os relacionamentos entre profissionais do mercado editorial global e possibilitou um rico networking para as casas brasileiras — diz Fernanda Dantas, gerente de relações internacionais da CBL.

Segundo Dantas, os resultados da Jornada Profissional deste ano superaram as expectativas. Em 2020, o evento ocorreu virtualmente devido à pandemia e rendeu US$ 133 mil em negócios internacionais, cerca de um quinto das estimativas deste ano. Vitor Tavares, presidente da CBL, afirma que “essa edição trouxe excelentes frutos e reaqueceu ainda mais a retomada dos eventos e negócios presenciais”.

Mais diversidade: Como a literatura brasileira mudou desde antologia de melhores autores de 2012

Os números da Jornada Profissional fazem jus aos bons resultados obtidos pela 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que voltou este ano ao formato presencial. Realizado entre 2 e 10 de julho, o evento atraiu 660 mil visitantes (10% a mais que o esperado). As editoras comemoraram aumentos expressivos nas vendas.

A Record e a Rocco registram seu melhor desempenho na história das Bienais paulistas: crescimento de 185% e 300% no faturamento em comparação com a última edição presencial, em 2018, respectivamente. A Sextante e a Intrínseca informaram aumentos de 150% no faturamento; a HarperCollins, de 253%.

A 26ª Bienal Internacional de São Paulo ficou marcada pelo sucesso de livros indicados pelo TikTok, a rede social que caiu no gosto da Geração Z.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos