Bilionários filantropos lançam campanha de doações para combate ao coronavírus

Rennan Setti

RIO - Dois movimentos destinados à filantropia lançaram campanha conjunta, nesta segunda-feira, para convencer grandes fortunas brasileiras a doarem para o combate ao coronavírus. O objetivo é levantar recursos em um fundo emergencial para a compra de material hospitalar e equipamentos por quatro instituições publicas de saúde. Organizadores estimam potencial de levantar R$ 10 milhões em uma semana.

A iniciativa é do Movimento Bem Maior, dos empresários Elie Horn (Cyrela), Eugenio Mattar (Localiza) e Rubens Menin (MRV e Banco Inter) e do apresentador Luciano Huck, e do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis). A campanha usa a plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) para causas sociais BSocial.

Os recursos serão direcionados à Fiocruz, ao Hospital das Clínicas de São Paulo, à Santa Casa de São Paulo e à Comunitas, organização que está comprando respiradores para hospitais do SUS.

O objetivo é que o dinheiro seja usado na compra de material de proteção para médicos e enfermeiros, testes para diagnóstico de Covid-19, respiradores e equipamentos para UTI.

- Estamos fazendo uma convocação aos grandes filantropos para que doem recursos. Alguns doadores já demonstraram interesse, agora vamos discutir valores. Enxergamos o potencia de levantarmos R$ 10 milhões em um semana - contou Paula Fabiani, diretora-presidente do Idis.

Lá fora, diversos bilionários já anunciaram doações para o combate ao coronavírus. A fundação de Bill e Melinda Gates vai destinar US$ 100 milhões à iniciativa, enquanto o fundador do gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba, Jack Ma, destinou US$ 14,5 milhões a pesquisas sobre vacinas contra a doença.

Doações de qualquer valor

Mas os efeitos econômicos da pandemia tornam mais difícil a tarefa de fazer empresários a abrirem o bolso, já que suas fortunas encolheram com as quedas na Bolsa e o fluxo de caixa dos seus negócios estão comprometidos.

- Não é um momento fácil para levantar doações, dada a crise causada pela pandemia. Mas, entre as famílias mais afortunadas, não temos visto ninguém reticente, até pela comoção mundial e pelo nível de vulnerabilidade do pais - disse Carola Matarazzo, presidente do Movimento Bem Maior.

Embora mire sobretudo grandes fortunas, a iniciativa aceita doação de qualquer valor por meio do site da BSocial.