Billy Porter critica capa de revista com Harry Styles de vestido: 'Tudo o que ele precisa fazer é ser branco e heterossexual'

·2 min de leitura

O ator e cantor Billy Porter, que recentemente interpretou a fada madrinha na nova versão de "Cinderella", comentou a capa da revista "Vogue" em que Harry Styles foi o primeiro homem a posar de vestido. Em entrevista ao "Sunday Times Style", ele afirmou que mesmo ele tendo sido o primeiro a utilizar e chamar atenção para a moda não binária (que não restringe peças a modelos masculinos ou femininos), os holofotes recaíram sobre o artista britânico e apontou falta de representatividade.

— Eu, pessoalmente, mudei todo o jogo. E isso não é ego, é apenas um fato. Fui o primeiro a fazer isso e agora todo mundo está fazendo. Sinto que a indústria da moda me aceitou porque foi obrigada. Eu criei a conversa e ainda assim a Vogue colocou Harry Styles, um homem branco heterossexual, em um vestido em sua capa pela primeira vez — disse Porter, que tem 52 anos.

Leia também:

O ator, que já foi premiado por seu papel na série Pose, ressaltou que não tem nada contra Harry Styles e seu objetivo não era falar mal do cantor:

— Mas é ele que você vai tentar usar para representar esta nova conversa? Ele não se importa, só está fazendo isso porque é a coisa certa a fazer.

Saiba mais:

Porter justificou que, para ele, falar e representar a moda não binária é uma questão grande, política.

— Isto é minha vida. Tive que lutar minha vida inteira para chegar ao lugar onde pudesse usar um vestido para o Oscar e não ser morto. Tudo o que ele precisa fazer é ser branco e heterossexual — acrescentou.

Referência na moda não binária

Porter se tornou um dos queridinhos do mundo da moda ao desfilar looks deslumbrantes que descontroem a moda dividida em gênero e despertam discussões. Criativo e engajado, ele encontrou na moda uma ferramenta política para chamar a atenção para a luta pelos direitos da comunidade LGBTQIA+.

Confira:

No Oscar de 2019, o ator chocou o mundo ao trocar as calças do tradicional smoking preto por uma gigantesca saia de veludo.

"Isso me fez falar mais alto e ser mais agressivo em ter certeza de que estou sendo ouvido. Porque todos nós somos seres humanos que merecemos nosso espaço nesse mundo", defendeu Billy ao jornal britânico “The Guardian” meses depois, diante de críticas recebidas na internet na época.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos