Binance vai ajudar Twitter com blockchain

Por Krystal Hu

DALLAS, Estados Unidos (Reuters) - A Binance, maior corretora de criptomoedas do mundo e que investiu 500 milhões de dólares na compra do Twitter por Elon Musk, está criando uma equipe para entender como blockchain e criptomoedas podem ser úteis à rede social, disse um porta-voz da empresa nesta sexta-feira.

Como um dos investidores de Elon Musk no financiamento do negócio de 44 bilhões de dólares, a Binance quer debater planos que possam ajudar o bilionário a administrar a plataforma.

A equipe recém-formada explorará como construir soluções para resolver os problemas do Twitter, incluindo a proliferação de contas automatizadas, um problema do qual Musk reclamou repetidamente e citado por ele quando tentou dessitir da proposta de compra meses atrás.

A saga de Musk no Twitter chegou ao fim na quinta-feira, quando o negócio foi oficialmente fechado após meses de reviravoltas dentro e fora do tribunal, e Musk imediatamente demitiu os principais executivos da empresa.

O Twitter começou a explorar maneiras de incorporar a tecnologia blockchain sob o comando do cofundador e ex-presidente Jack Dorsey, que tem sido um defensor da bitcoin.

Em novembro de 2021, o Twitter lançou uma equipe interna para criar recursos que envolvem essas tecnologias. A companhia introduziu a possibilidade de assinantes pagos da rede social usarem tokens não fungíveis (NFTs) como sua foto de perfil.

Em mensagens com interlocutores, Musk discutiu a possibilidade de colocar a rede social na blockchain, embora mais tarde ele tenha decidido que tal movimento não funcionaria.

Não está claro o quão ativamente envolvidos coinvestidores como a Binance podem estar no futuro do Twitter, já que Musk controla totalmente o conselho e a tomada de decisões da empresa, agora de capital fechado. A maioria de seus coinvestidores são fundos, como Sequoia Capital, Fidelity Management, Andreessen Horowitz e Brookfield.

O presidente-executivo da Binance, Changpeng Zhao, é um usuário ativo do Twitter com mais de 7 milhões de seguidores na plataforma.

(Reportagem adicional de Sheila Dang)