Biógrafo revela últimas palavras de Jô Soares e lamenta: "O país perdeu a graça"

O jornalista Matinas Suzuki Jr, co-autor das memórias de Jô Soares, falou sobre a morte do amigo e relembrou as últimas palavras ditas pelo comediante.

Em entrevista para Renata Lo Prete, Suzuki explicou que Jô era humorista em tempo integral, e que sempre fez questão de não se levar a sério. "Ele pediu para colocar como epígrafe, no primeiro volume do nosso livro, uma frase do ator inglês Edmund Gwenn. Quando estava no leito de morte, disse a seguinte frase: 'Morrer é fácil. Duro é fazer comédia'. Agora, uma das últimas frases que ele falou foi repetir essa frase, que é muito reveladora do que é o Jô: 'Viver não é tão importante. O importante é comédia".

Para o jornalista, a ausência de Jô já é sentida no cenário cultural brasileiro. "A ausência do Jô da cena pública hoje é reveladora de um país que perdeu graça, charme e humanidade".

Morte de Jô Soares

O ator, escritor e diretor Jô Soares morreu no dia 5 de agosto de 2022, aos 84 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde 25 de julho deste ano para tratar uma pneumonia. Ex-esposa do artista, Flavia Pedra Soares disse que ele estava "cercado de amor e cuidados" e informou que o funeral será restrito para família e amigos próximos.

"Aqueles que através dos seus mais de 60 anos de carreira tenham se divertido com seus personagens, repetido seus bordões, sorrido com a inteligência afiada desse vocacionado comediante, celebrem, façam um brinde à sua vida. A vida de um cara apaixonado pelo país aonde nasceu e escolheu viver, para tentar transformar, através do riso, num lugar melhor", escreveu Flavia.