BioNTech estima que fabricará 2 bilhões de doses de sua vacina em 2021

·1 minuto de leitura
Seringas e doses da vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19, em 8 de janeiro de 2021 no Nouvel Hopital Civil de Strasbourg, França

A empresa alemã de biotecnologia BioNTech estimou nesta segunda-feira (11) estar em condições de produzir "2 bilhões de doses" de sua vacina contra a covid-19 até o final de 2021, muito mais do que a estimativa anterior de 1,3 bilhão de doses.

A BioNTech, associada à gigante norte-americana Pfizer, chegou a essa nova estimativa com base no "novo padrão" que permite administrar 6 doses por frasco em vez de 5, segundo documento publicado em seu site.

A BioNTech também conta com a "expansão de suas instalações atuais", incluindo a inauguração de outra fábrica europeia em Marburgo (Alemanha), prevista para fevereiro.

Essa nova planta, descrita pela empresa como um "grande ponto de inflexão", permitirá agregar "até 750 milhões de doses" à capacidade de produção anual.

O número de doses disponíveis é um dos principais desafios de uma estratégia de vacinação contra a covid-19 em todo o mundo.

A unidade de Marburgo, a segunda na Alemanha, poderá fornecer 250 milhões de doses adicionais no primeiro semestre do ano, o que reforçará a produção da unidade belga de Puurs, onde são fabricados os lotes destinados à União Europeia.

A aliança germano-americana também possui três fábricas nos Estados Unidos.

O anúncio desta segunda-feira foi feito depois que a Comissão Europeia confirmou na quarta-feira um novo acordo com a Pfizer-BioNTech para ter 200 milhões de doses a mais de sua vacina anti-covid, com uma opção de mais 100 milhões de doses.