BioNTech planeja fábrica de vacina de mRNA na África em meados de 2022

·1 min de leitura
Tubos de ensaio em frente ao logo da BioNTech em foto de ilustração

Por Ludwig Burger

FRANKFURT (Reuters) - A BioNTech anunciou nesta terça-feira um acordo com o governo de Ruanda e o Instituto Pasteur de Dacar, no Senegal, para a construção de uma primeira instalação de fabricação de vacinas usando a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) na África a partir de meados de 2022 para ajudar o continente a amenizar as desigualdades de saúde que sofre quando comparado com outras regiões do mundo.

A BioNTech, que desenvolveu as vacinas contra Covid-19 mais amplamente usadas no mundo ocidental com a parceira Pfizer, construirá inicialmente uma linha de produção com capacidade de 50 milhões de doses anuais que também poderia ser usada para vacinas contra Covid-19, como informou em um comunicado.

Mas os parceiros podem decidir fazer vacinas de mRNA contra outras doenças, como malária ou tuberculose, dependendo do desenvolvimento futuro e das necessidades médicas, disse um porta-voz da empresa.

Isto será ramificado em uma rede de produção mais ampla que faria várias centenas de milhões de doses de vacinas de mRNA anualmente com o objetivo de transferir a propriedade e o conhecimento a parceiros continentais, acrescentou a empresa de biotecnologia.

"Nosso objetivo é desenvolver vacinas na União Africana e estabelecer capacidades sustentáveis de produção de vacina para melhorar conjuntamente o cuidado médico na África", disse Ugur Sahin, executivo-chefe da BioNTech.

O projeto assinala uma iniciativa de mais longo prazo para evitar uma repetição das desigualdades de saúde explicitadas pela pandemia de coronavírus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos