Bispo é preso acusado de estuprar menores filhas de fiéis de sua igreja

Acusado de estupro de vulnerável, o bispo Jonas Braga foi preso pela equipe do titular da 118ª (Araruama), Filipe Poeys, na manhã desta terça-feira. As vítimas seriam filhas de fiéis de sua igreja. Jonas, que se apresentava como profeta bispo Jonas do Ministério Promessa, foi preso em casa, no bairro de Ampliação, em Itaboraí, e não ofereceu resistência.

Crise na educação: Cortes no orçamento da UFRJ afetam o dia a dia da Cidade Universitária

Preconceito em teatro: ‘O racismo não tem perdão’, diz jovem negro acusado de furtar guarda-chuva na Zona Sul

De acordo com as investigações, uma das vítimas tinha apenas 11 anos e foi abusada ao menos três vezes. A menina disse para a política que os abusos aconteciam no trajeto da casa dela para a igreja, dentro do carro de Jonas. Em depoimento, ela revelou que Jonas dizia que "era pastor da porta da igreja para dentro, para fora, era apenas um homem".

Documentação em dia: Habilitações vencidas durante a pandemia têm prazo extra para renovação

Uma jovem de 17 anos também foi vítima de Jonas. Na época, ela foi buscar a ajuda do pastor após ter sido vítima de assédio. Jonas foi até o local buscá-la e, no trajeto, cometeu o crime de estupro, também dentro do carro. Ela foi novamente violentada quando, a pedido da própria família, pegou uma carona com o pastor para voltar de um curso.

Sequestro: Mulher feita refém em biblioteca no Centro do Rio é libertada após intervenção do Bope

Operação Resina: Polícia cumpre mandados de busca e apreensão; empresários são acusados de receptação de carga roubada

Após o estupro, o pastor, que não usou preservativo, seguiu mandando mensagem para que a vítima não ficasse preocupada em caso de gravidez: “não haveria problema se engravidar, pois ele era bandido e conseguiria um remedinho para matar a criança em 10 minutos”, disse ela.

‘Miss Universo’ trans: Quem é Eloá Rodrigues, modelo de São Gonçalo que vai representar o Brasil no concurso

Jonas também responde a mais um inquérito por estupro, que ainda está em andamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos