Bitcoin cai ainda mais após inflação nos EUA atingir 9,1%, maior patamar desde 1981

O bitcoin acelerou seu ritmo de queda na manhã desta quarta-feira após a divulgação dos dados da inflação nos Estados Unidos, mais alto do que o esperado, o que tende a uma possível recessão na maior economia do mundo.

Coluna Capital: Bitcoin caiu 60% no ano, mas gráfico indica que nova ‘tempestade’ pode estar próxima

Na expectativa: Bitcoin pode desabar para US$ 10 mil, mostra pesquisa com investidores de Wall Street

O principal criptomoeda em valor de mercado, que oscilava próximo da estabilidade no início da manhã, passou cair com força, sendo negociada a US$ 19.063,09 por volta das 10h35 (hora de Brasília), com queda de 4,2% nas últimas 24 horas, segundo o CoinGecko. A ether, moeda da rede Ethereum, recuava 4,8%, sendo cotada a US$ 1.021,25.

O índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos acelerou 1,3% em junho ante maio. No acumulado em 12 meses, a inflação foi de 9,1%, o maior patamar desde 1981. Os dados devem forçar uma postura mais dura por parte do Federal Reserve, Banco Central americano, na reunião de política monetária deste mês.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos