Bitcoin desaba para abaixo do patamar de US$ 50 mil

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
  • Criptomoeda era negociada a cerca de US$ 49 mil na manhã desta sexta-feira (23).

  • Pico histórico dos US$ 64 mil foi atingido há cerca de 15 dias.

  • Moeda segue tendência de desvalorização desta o final de semana passado.

O bitcoin, a mais famosa e valiosa criptomoeda do mundo, passa por um momento delicado nesta sexta-feira (23), depois de perder mais de US$ 12 mil em valor em poucos dias, na medida em que uma forte tendência de venda que começou no final de semana passado se prolongou por toda a semana.

Leia também:

As informações de preço são da Coindesk, especializada no monitoramento e preços de criptomoedas.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A barreira psicológica dos US$ 50 mil é um importante “ponto de resistência” que o mercado monitora para definir a continuidade da tendência de venda.

Analistas apontam a rápida valorização do ativo nos últimos meses, impulsionada por uma euforia na injeção de capital de grandes investidores, como um dos principais motivos para a atual correção de preços.

Bitcoin

O bitcoin é a mais famosa e valiosa criptomoeda do mundo atualmente. Começou a ser negociada publicamente em 2010, quando custava centavos de dólar, e desde então vivenciou uma vertiginosa valorização.

Até 2020, seu preço flutuava em torno dos R$ 10 mil, e chegou a cerca de R$ 3 mil no ano passado.

Mas, a partir da virada do ano, o ativo viu seu preço subir constantemente, e agora é negociado a cerca de R$ 50 mil, depois do “embarque” de grandes empresas, como a Tesla de Elon Musk, e de outros participantes institucionais do mercado.

Criptomoedas

As criptomoedas são uma classe de ativos digitais, baseados na blockchain – uma espécie de “livro de registros” digital. Na blockchain, é possível registrar de forma transparente a entrada de novos bitcoins no mercado (após serem “minerados”) e também transações entre diferentes carteiras.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube