Bitcoin renova máxima histórica ‘raspando’ os US$ 65 mil

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Um
Bitcoin. (Foto: Getty Images)
  • O bitcoin se aproximou da cotação de $65 mil nesta quarta-feira (14).

  • Preço é recorde para o criptoativo mais valioso do mundo.

  • Listagem direta da corretora Coinbase na bolsa de valores NASDAQ é um dos motivos para o aquecimento da cotação.

O bitcoin, a moeda criptográfica mais famosa e valiosa do mundo, segue mostrando força nesta quarta-feira (14).

Leia também:

O ativo atingiu a cotação de US$64.829 – um novo recorde histórico. Na última terça-feira, o bitcoin já havia quebrado outro recorde ao ultrapassar a cotação de $63 mil.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A valorização ocorre um dia depois da listagem direta da empresa Coinbase na bolsa de valores de tecnologia dos Estados Unidos, a NASDAQ.

A Coinbase é uma corretora especializada na compra e venda de criptoativos, como bitcoin e outras moedas alternativas como o ether.

A valorização dos criptoativos ocorre num contexto em que mais investidores institucionais vêm colocando dinheiro nesse mercado que já passado do US$ 1,2 trilhão.

Bitcoin

O bitcoin é a mais famosa e valiosa criptomoeda do mundo atualmente. Começou a ser negociada publicamente em 2010, quando custava centavos de dólar, e desde então vivenciou uma vertiginosa valorização.

Até 2020, seu preço flutuava em torno dos R$ 10 mil, e chegou a cerca de R$ 3 mil no ano passado.

Mas, a partir da virada do ano, o ativo viu seu preço subir constantemente, e agora é negociado a mais de R$ 64 mil, depois do “embarque” de grandes empresas, como a Tesla de Elon Musk, e de outros participantes institucionais do mercado.

Criptomoedas

As criptomoedas são uma classe de ativos digitais, baseados na blockchain – uma espécie de “livro de registros” digital. Na blockchain, é possível registrar de forma transparente a entrada de novos bitcoins no mercado (após serem “minerados”) e também transações entre diferentes carteiras.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube