Black Friday: brasileiro irá comprar menos em lojas físicas por medo do coronavírus, aponta estudo

EXTRA
·3 minuto de leitura
Foto: Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/un-perfekt-9295476/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=4645768" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Linus Schütz" class="link rapid-noclick-resp">Linus Schütz</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=4645768" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Pixabay" class="link rapid-noclick-resp">Pixabay</a>
Foto: Imagem de Linus Schütz por Pixabay

As compras da Black Friday deste ano podem ser mais online do que nunca. Segundo uma pesquisa da Sensormatic Solutions na América Latina, com exclusividade para o EXTRA, 32,1% dos brasileiros afirmam que vão visitar menos lojas físicas neste ano do que em 2019 durante a Black Friday, que ocorre no próximo dia 27 de novembro. Já 31,6% diz não planejar a ida aos ponto de vendas físicos na data.

A pesquisa, Holiday Consumer Survey 2020, foi realizada por meio de entrevista individual online e questionário estruturado, com uma amostra total de 1.600 participantes no Brasil, Chile, Colômbia e México.

Somente 12,7% deve manter o número de pontos comerciais visitados no ano passado, enquanto 7% afirma pretender aumentar a quantidade de lojas na ocasião. Em 2019, 66,7% dos entrevistados brasileiros realizaram compras presenciais na temporada de descontos.

Considerando a atual situação da pandemia, 39,8% dos brasileiros afirmaram estar preocupados com a ida às lojas físicas, enquanto 32,6% se dizem muito preocupados. Por outro lado, apenas 5,7% revelaram se sentir despreocupados.

Nesse cenário, as compras online, com recebimento dos produtos em casa, surgem como forte tendência para o Natal. Segundo a pesquisa, 69,9% dos entrevistados vão comprar online nesta Black Friday. Ainda de acordo com o estudo, 44,3% dos ouvidos no país devem iniciar as compras de Natal no mês de novembro.

— À medida que os varejistas enfrentam uma nova realidade por causa da Covid-19, acreditamos que a indústria precisa começar a restaurar a confiança do consumidor, e isso começa por ajudar a garantir que a loja seja um ambiente seguro — analisa Bjoern Petersen, presidente da Sensormatic Solutions, que acredita que, apesar disso, as perspectivas para a temporada de fim de ano continuam positivas.

Veja ainda:

50,9% dos entrevistados ouvidos em todos os países esperam efetuar suas compras de fim de ano em novembro. Destacam-se México, com 56%, e a Colômbia, com 55,9%, com maior concentração de intenção de compra no mês. Para dezembro, o índice geral é 23,5% entre os países; destacam-se o Brasil, com 28,6%, e o Chile, com 26,7%.

Os parâmetros de distanciamento social geram um impacto significativo nas visitas às lojas para a temporada 2020. De todos os ouvidos nos quatro países, 39,4% pretendem visitar menos lojas, enquanto 23,8% pretendem não ir. A maior redução total é encontrada no Chile, com 68%, e no Brasil, com 64%.

As compras online, com recebimento em casa, são a modalidade que tende a ser mais utilizada nesta temporada, com média geral de 65,4%. Brasil e Chile lideram a tendência.

As compras online com retirada em loja aparecem com média de 33,3% de intenção de uso entre os países. No Chile, o índice chega a 44,6%.

As compras por catálogo estão em baixa, com média global de 14%.

É evidente que a ida às lojas físicas é um elemento que preocupa uma elevada percentagem da população dos países analisados, com total de 24,5% muito preocupada e 44,3% preocupada, para um indicador de incerteza de 68,8%. A alta preocupação é mais acentuada no Brasil com 32,6%, enquanto a neutralidade se destaca no México, com 31,4%