Black Friday: vai comprar hoje aquele produto? Antes de abrir a carteira, veja alguns cuidados

Nas lojas, o ambiente e o poder de convencimento dos vendedores aumentam o risco de comprar por impulso

Vai comprar hoje aquele eletrodoméstico ou eletrônico que você já vinha namorando há algum tempo? Pretende gastar a primeira parcela com roupas, calçados ou acessórios? Vai aproveitar o dinheiro para comprar aquele pacote de viagem ou adiantar as compras dos presentes de Natal? Antes de abrir a carteira, no entanto, confira alguns cuidados a tomar, para não comprar por impulso, se endividar e se arrepender depois. Saiba também quais são os seus direitos como consumidor.

Confira dicas:

1.       Faça uma lista

Já tenha em mente o que gostaria ou precisa adquirir, independentemente das ofertas-relâmpago. 

2.       “Favorite” seus objetos de desejo 

A maioria dos sites de venda virtuais hoje permite que o cliente (cadastrado) marque os produtos favoritos ou desejados, que ficam registrados na conta, facilitando, assim, a aquisição deles com maior agilidade. 

3.       Estabeleça um limite 

Não deixe satisfação do consumo momentâneo falar mais alto. Estabeleça um limite de gastos para não se endividar. Lembre-se das contas extras de início de ano: IPTU, IPVA, matrícula e material escolar...

4.       Pesquise antes os preços reais e a idoneidade das empresas em sites que prestam este tipo de serviço 

Confira o histórico de cada loja: se ela tem mais de um ano de existência ou se o histórico é ruim no Procon ou na Serasa. O site “Consumidor.gov.br”, entre outros serviços, traz uma avaliação das empresas.

5.       Observe se a compra tem nota fiscal 

Para não ter ainda mais problemas, caso precise trocar ou desistir de uma compra, jamais abra mão da nota fiscal. 

6.       Veja o preço do frete 

Às vezes, o produto está abaixo dos preços em outros sites, mas o valor do frete ultrapassa o desconto, elevando o preço final.

7.        As fotos podem enganar

Observe bem todas as especificações do produto para não ter aquela dor de cabeça na hora de receber a encomenda. No entanto, para estes casos, saiba que você tem sete dias para se arrepender nas compras virtuais, e pode cancelar a compra, devolver o produto e pedir o dinheiro de volta.

8.       Escolha a melhor forma de pagamento

Alguns produtos apresentam valores diferentes se forem pagos à vista ou parcelados. A condição de pagamento também pode ser diferente, de acordo com o meio escolhido: no boleto bancário, geralmente o parcelamento é menor ou não é permitido.

9.       Troca de produtos comprados pela internet

Pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC), as lojas não são obrigadas a trocar os produtos, caso não haja algum defeito ou propaganda enganosa. A política de troca pode variar de loja para loja. No entanto, muitas delas aceitam a troca, em função de cores ou tamanhos, dentro de um prazo estabelecido (fique atento às letras miúdas). Os custos de frete ficam a cargo do consumidor.

10.      Produto com defeito

A substituição de produtos defeituosos ou com mau funcionamento é garantida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Existem prazos para reclamar com a loja virtual, que variam de acordo com o tipo de produto. Para eletrodomésticos, eletrônicos e outros produtos duráveis, o prazo é de até 90 dias. Para os não duráveis, como alimentos e flores, o prazo é de 30 dias. A partir disso, fica valendo a garantia do fabricante. Se depois de 30 dias da reclamação o problema não for resolvido, você poderá, além de trocar o produto por outro igual, solicitar devolução imediata do valor pago.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263).