Caminhoneiros, Dilma, Allende e o novo golpe dos EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Caminhoneiros, Dilma, Allende e o novo golpe dos EUA
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Enquanto a greve doscaminhoneiros, ora a paralisar o país e sem liderança definida, não mostrar o rosto de quem a representa, corremos o risco de uma bobajada, que já virou viral, tornar-se verdade à força da repetição –como ensinou o nazismo.

Um militante que sempre manda e-mails a este blog repassou o que já corre por aí: uma infâmia estabelecendo que os caminhoneiros são instrumentalizados pelos EUA para derrubar Dilma.

A bobajada vem com uma luz de fundo histórica. No dia 27 de outubro de 1972 caminhoneiros chilenos pararam seus veículo. Não eram assalariados, mas

sim proprietários de caminhões. Naquele mês de outubro Salvador Allende havia nacionalizado uma pequena firma transportadora do extremo sul do país, em Aysen. A decisão da greve foi anunciada por Leon Vilarin, o líder da organização dos caminhoneiros.

O Chile daqueles tempos trazia uma agenda social progressista.

No início de 1972 o estado controlava as riquezas naturais e as indústrias básicas do país. O estado chileno controlava 30% do crédito, 85% das exportações e 45% das importações. O programa de saúde havia reduzido a mortalidade infantil, através de várias campanhas sanitárias e de nutrição, como a distribuição de ½ litro de leite diário a cada criança até 14 anos. Em 1971 o PIB havia crescido 8% contra uma média de 2.7% entre 1969 e 1970.

Os caminhoneiros, é sabido, não gostavam disso.

Meu interlocutor militante mandou a este blog algo que corre pela rede:

“O golpe em Dilma, pelas forças da direita que destroem a Petrobras, já começou. A greve dos caminhoneiros foi orquestrada pelos EUA, da mesma forma que orquestraram a greve dos caminhoneiros que derrubou Allende. Sabemos que León Villarín, líder dos caminhoneiros em greve, era um agente da CIA filiado ao Iadesil – Instituto Americano para o Desenvolvimento do Sindicalismo Livre, com sede nos EUA. E ficou provado que a Cia financiou os caminhoneiros em greve. Mais de 100 sindicalistas foram enviados pela AIFL à Virginia para fazerem cursos e receber treinamento e regressando ao Chile se engajavam como profissionais nas organizações dos trabalhadores.

O Iadesil se dedica a formar dirigentes sindicais em toda a América Latina para se oporem “a ameaça de infiltração castrista”. Na época o Iadesil recebia recursos do Fundo Kaplan, intermediário financeiro da Cia, da Usaid e das grandes empresas transnacionais, entre elas a ITT, Grace, Rockefeller, Shell, Standard Oil, United Fruit y Kenneccott…

Toda essa estrutura se montou agora também contra Dilma, diversificada, mas também partindo do ponto da greve dos caminhoneiros”.

O meu missivista prossegue:

“Toda a ação da reação contra Allende se desenvolveu, curiosamente, coincidente com os planos de subversão da ITT-CIA, denunciados pelo jornalista Jack Anderson, do Washington Post. O plano consistia em:

a) Provocar a deterioração da situação econômica.

b) Ação psicológica através dos meios de comunicação;

c) Trabalho divisionista nas Forças Armadas.

d) Preparação de grupos paramilitares

Fazem o mesmo agora contra Dilma.”

Diz meu missivista que a mídia atacar a Petrobras, agora, é também uma reedição chilena:

A Sociedade Interamericana de Imprensa – SIP – interagia com os grandes jornais do continente garantindo cobertura “fiel” aos fatos. Durante a campanha de Allende, o presidente da SIP era nada menos que Agustin Edward, o chefe do clã dono do Mercúrio e, a partir de 1973, assumiu a direção outro chileno, Raul Silva Espejo, diretor do Mércurio. Na campanha contra Allende atuava também o jornalista Federico Willoughby McDonald, assalariado da CIA. Esse Centro treinou, em 1972, 400 pessoas para ações terroristas urbanas. Willoughby, como prêmio, em 1973 ganhou o posto de assessor de imprensa de Pinochet. Weellock aparece como mentor de outros golpes de estado na página 540 do livro “Who’s Who em CIA”.

Não precisamos mais disso porque os grampos contra Dilma, denunciados por Snowden, dão conta do recado”.

Finaliza o missivista:

“O matutino El Mercurio, segundo os documento da ITT recebia orientação da Usis, o serviço de informações da embaixada dos EUA. Posteriormente, com a desclassificação dos documentos da Cia, em 1998, comprovou-se que o jornal recebia grandes quantidades de dólares e que o USIS “ajudava” nos editoriais e outros artigos de opinião.

A mesma orientação é dada agora pelos EUA à grande mídia, que tema a Lei de Meios”.

Enquanto os caminhoneiros não mostrarem seus rostos políticos, a máquina de propaganda viral dos Militantes de Ambientes Virtuais vai fazer deles o que quiser.

Enquanto bato estas mal traçadas, os caminhoneiros são agentes dos EUA contra Dilma.

Vamos ver o que vão ser daqui a algumas horas…

Leia também: Jornalista dos EUA diz ao blog que CIA matou Campos:

https://br.noticias.yahoo.com/blogs/claudio-tognolli/exclusivo-jornalista-e-ex-oficial-de-inteligencia-da-122442862.html

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos