Teocrata Marina Silva, o Bom Selvagem de saias, fará do Brasil o país do futuro: do pretérito

Como uma teocrata que não obteve meio milhão de votos que a legitimassem cabeça de partido pode, agora, expressar um Brasil contemporâneo?

O pensador marxista alemão Ernst Bloch (1885-1977) gostava de apontar o que chamava de "a contemporaneidade do não-coetâneo (em alemão, "Gleichzeitigkeit der Ungleichzeitigkeit").

Ou seja: você vive no século 21, mas pode estar dividindo o seu espaço, lado a lado, com quem ainda mantenha valores medievais. Ou simplesmente com aqueles anti-capitalistas, que vindicam o retorno à selva --e o subsequente combate ao crescimento. Marina Silva é tudo isso: é a sombra por detrás da luz

Só Jesus Salva: e só Marina Silva. Marina é a nossa não-coetânea: usa celular e internet, mas sua cabeça, e código de comportamento, estão algo aquém daquela fase entre Homem de Java e Homem de Pequim.

Marina Silva é nosso Jean Jacques Rousseau de saias. No final do Iluminismo, Rousseau, nascido em Genebra, publicou, em 1762, seu O Contrato Social. A primeira frase do livro já diz tudo: “O homem nasceu livre, e por toda a parte encontra-se a ferros”.

Rousseau criou aquela bobajeirada do Bom Selvagem. Seu noble savage tinha como petição de princípios o retorno à quietude das selvas. Nesse sentido, Rousseau gritava: “Todo o progresso subsequente representou muitas etapas em direção ao crescimento individual, mas muitas levaram, na realidade, ao enfraquecimento da espécie”.

Marina Silva é a mãe espiritual do Bom Selvagem. Figuras como Marina Silva geraram medo no passado recente: fará do Brasil o país do futuro do pretérito.

Uma penca de intelectuais tentou dar respostas ao que era o Brasil, nos últimos 80 anos. A turma do Instituto Superior de Estudos Brasileiros, o ISEB, como Hélio Jaguaribe, Roland Corbisier e Cândido Mendes de Almeida, nos anos 50, era quem mais criticava a eterna vocação agrária do Brasil. Diziam que nosso mundo agrário-mercantil se aliava aos gringos para que o Brasil não desenvolvesse seu parque industrial e fosse um eterno exportador de grãos.

O ISEB nasceu para combater figuras como Marina Silva.

Marina Silva quer um estado teocrático, agrário. Afastará o capital do Brasil. Mais do que Dilma afastou.

Marina Silva sempre se jactou de ter em suas alianças com os verdes a figura do moinho eólico como gerador de energia. Nada sabe sobre o tema.

Veja você: até James Lovelock, criador da famosa Hipótese Gaia (segundo a qual o ser humano é um dos “órgãos” do corpo que é a Mãe Terra), agora defende a energia nuclear. E expõe ao osso os babacas do Partido Verde (que usam em suas propagandas políticas os moinhos de vento eólicos). Saiba você: um moinho de vento eólico consome dez mil toneladas de concreto para ser construído. Em toda a sua existência, o moinho de vento eólico jamais produzirá energia limpa que compense a poluição gerada para poder produzir as milhares de toneladas de concreto que o erigiram.

Marina Silva desconhece esse tipo de coisa.

Maria Silva é uma agente internacional do Clube de Roma.

Em 1968 o industrial italiano Aurelio Peccei fundou o Clube de Roma, quando se falou a primeira vez em desenvolvimento sustentável. (veja aqui http://pt.wikipedia.org/wiki/Clube_de_Roma )

O Clube de Roma foi feito para brecar o capitalismo em celeiros como o Brasil.

Por que você acha que o Príncipe Charles, e outros milionários de países de primeiro mundo, são patrocinadores e padroeiros do WWF? Porque a nova ideologia faz uso de ongueiros preservadores da natureza para drogar jovens com a febre anti-desenvolvimentista.

Marina vai regular seus ideais com Evo Morales e tirar o Brasil da atual condição de único Forte Apache da América Latina.

Marina vai fomentar a injeção de dinheiro gringo numa única área do Brasil: a das ONGs que lutam contra o capital para preservar a Amazônia.

Paga a pena de onde vem a grana delas: o Conselho Indigenista Missionário, por exemplo, recebeu milhares de dólares da Fundação Nacional para a Democracia, dos EUA (NED), para “ajudar a fortalecer organizações independents e assitir comunidades indígenas para defender seus direitos em meio a uma atmosfera violenta e discriminatória”.

O NED é uma organização mantida pelo governo dos EUA e dirigida pelo Congresso. Faz parte do clube internacional que quer ver o Brasil reduzido a uma republiqueta sem parque industrial, e mera exportadora de grãos.

Paga a pena ver o tipo de ONG anti-desenvolvimentista que circunda Marina Silva.

Melhor Amigo

Um dos agentes internacionais mais ativos para tornar o Brasil um eterno exportador de grãos foi o ex-vice presidente dos EUA, Al Gore.

Em 1992 lançou seu livro “A Terra na balança” e mais a frente o filme “Uma questão inconveniente”. Al Gore critica a civilização nos moldes do Bom Selvagem, de Rousseau. Diz no livro coisas como “a estrutura da civilização se tornou extraordinariamente complexa e, conforme vai se rebuscando, nos sentimos cada vez mais distantes de nossas raízes na terra”.

Al Gore tem em Marina Silva sua maior ídola mundial: afinal ela vai ajudar tornar o Brasil um grande celeiro, sem indústrias de ponta. Vejam o trecho que retirei de mídia, publicado em 2011:

“Paco Ragageles, fundador da Campus Party, descreveu um encontro ocorrido nesta terça-feira como o mais imporante da história do evento: o engenheiro britânico Tim Berners-Lee, criador do protocolo WWW, dividiu espaço com o ex-vice-presidente dos EUA e ativista ambiental Al Gore. Eles discutiram o futuro da internet. A dupla tratou de questões candentes, como liberdade de expressão na web e Wikileaks. Contudo, o clímax foi atingido quando Gore agradeceu a presença no evento da ex-candidata à Presidência da República Marina Silva – chamando-a carinhosamente de “minha amiga”. O público foi ao delírio. A “verde” Marina acompanhou o debate sentada entre os campuseiros.”

Marina, da tchurma dos cegos pela luz, sabe que a morte de Eduardo Campos vai deixar viúvo mesmo é o capitalismo brasileiro.

Leia também:

https://br.noticias.yahoo.com/blogs/claudio-tognolli/farsa-superaquecimento-e-ideologia-mar-vai-virar-sertão-143504708.html

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos