Ciência e religião se unem para realizar exorcismo

Eita!
Bispo cuidou da parte religiosa do processo (Reprodução)



Muito famoso em filmes de terror, o exorcismo existe na vida real. Sim, no presente. Porque por mais que seja uma técnica antiga, ela costuma ser a saída de pessoas desesperadas com “entes possuídos” ou casas mal-assombradas.

E foi isso o que aconteceu me uma casa que fica na pequena Castelas, cidade da província de Buenos Aires, na Argentina. Por lá, um bispo teve que ser chamado para encerrar supostas atividades paranormais que apavoravam moradores de uma casa.

De acordo com os moradores da residência, tudo começou com a criança da família. Os pais passaram a se preocupar quando o filho mostrou seus desenhos: eram diversos crucifixos nos mais diversos cantos da casa. O menino ainda dizia coisas estranhas e afirmava ver espíritos.



Os pais chamaram um padre local, mas ele não deu conta de resolver os problemas que o casal dizia encarar. Eles consideraram mudar de casa, tamanha a encrenca que aquela residência se mostrava para eles. A solução, então, foi chamar alguém que pudesse exorcizar o ambiente.

Foi então que o bispo Manuel Acuna entrou em cena. Ao lado de um especialista em campos eletromagnéticos, Gustavo Farias, ele entrou na casa disposto a acabar com os problemas. O técnico, que é uruguaio, confirmou que há uma espécie de energia bastante estranha no local, que se mexe junto com a atmosfera.

Depois de ficarem mais de uma hora dentro da casa, padre e especialistas afirmam que a família deverá viver em paz agora. Sem nunca ter trabalhado antes com esse tipo de “energia”, Farias se mostrou bem surpreso com os resultados que seu trabalho obteve ao lado do religioso.



“Já fiz muitas coisas dentro do meu campo de trabalho, algumas que pessoas podem até considerar estranhas, mas nunca antes eu havia lidado com exorcismo. E é algo definitivamente interessante, para se dizer o mínimo”, conta Gustavo — que se dispôs a trabalhar ao lado do bispo em mais oportunidades como essa.





















Diversas sombras luminosas sem explicação foram vistas no local (Reprodução)
Já o perito em eletromagnética ficou responsável pela parte tecnológica do processo (Reprodução)