Fiesp e o capitalismo em Cuba

Jornalismo Wando

Com tantas trapalhadas armadas pelo governo federal, não haveria necessidade de recorrer a factóides para atacá-lo. Mas nada como um envolvendo Cuba para embalar mentes e corações em ano eleitoral. Esse climinha de Guerra Fria não pode morrer, e a paranoia anticomunista precisa ser alimentada.

Um dos temas que mais tem indignado opositores e reaças facebookeanos é o financiamento pelo BNDES do Porto de Mariel, em Cuba. Essa seria a prova definitiva do alinhamento ideológico do governo com o regime cubano e um claro indício de que caminhamos para o golpe.

Vejamos algumas das melhores micro-análises que selecionei no Twitter:



A escandalização tem sido alimentada pelas colunas dos grandes jornais, pelos jornalistas cheios de opinião da TV e pelas Senhoras de Santana tementes ao golpe comunista. Mas poucos procuraram ouvir um dos principais envolvidos na construção do Porto de Mariel: o capitalismo brasileiro.

São os nossos empresários, ávidos por lucro, os grandes interessados nos empréstimos que o BNDES destinou para a construção do porto cubano. Diferente do que se tem dito, o Brasil está exportando o mais puro capitalismo para Cuba, que cada vez mais vem abrindo sua economia, fazendo Stálin revirar no túmulo e balançando as convicções de Rodrigo Constantantino.

A presença do Brasil em Cuba tem funcionado quase que como uma missão jesuítica do capitalismo. Trata-se de uma verdadeira catequese capitalista para os incrédulos cubanos.

Além de Cuba, a FIESP, representante do empresariado brasileiro, está profundamente interessada na obra. Vejamos os comentários do diretor de comércio exterior da entidade em entrevista a Heródoto Barbeiro. Antes, reparem no visual bolivariano de Thomaz Zanotto:


“Cuba pode ser uma plataforma comercial e ajudar o Brasil a ampliar sua influência no Caribe e América Central. Existe o interesse estratégico. O Brasil é um país que tem bastante inserção econômica na América do Sul, mas no Caribe ainda é pouca.(...) Esse porto é uma oportunidade para isso

Vendo o empresariado falando dos projetos capitalistas do Brasil, nem parece que semana passada saímos às ruas para combater uma ditadura comunista.

"Não é só o porto. É a zona industrial, zona de processamento de exportação, que tem cerca de 500km quadrados em torno do porto, onde os cubanos estão fazendo uma experiência, estão copiando aquele modelo chinês"

Modelo chinês? Humm...cadê o comunismo diabólico que tava aqui?

"Estão criando todo um ecossistema que irá permitir o estabelecimento de uma indústria. E dali vai não só atender o mercado cubano, mas também exportar para outros países da região. O porto foi financiado pelo Brasil, mas foi construído por empresas brasileiras. (...) 80% de todo o material e de todos os equipamentos envolvidos na construção são brasileiros, comprados no Brasil"

Eu estava achando que o porto era uma estratégia para facilitar a importação de guerrilheiros comunistas. Assim, os soldados cubanos não precisariam mais se disfarçar de médicos para entrar no Brasil, como nos revelou o jovem Maycon Freitas.

E quem garante que esses comunistas vão pagar direitinho? "La garantia soy yo"? A FIESP responde:

"A garantia do pagamento desses financiamentos é a própria receita do porto, que será em moeda forte. (...) É o que chamam de 'Project Finance'. É clássico. Você garante um projeto de infraestrutura com a receita do próprio empreendimento"

É clássico? E desde quando os vermelhos latino-americanos entendem o que é um "Project Finance", Thomaz? É muita sofisticação para tanto bolivarianismo.

"O porto será administrado pela Autoridade Portuária de Cingapura, que é um dos portos mais bem administrados do mundo. (...) Cuba tem a chance de ser uma plataforma pra exportar para todos os países da América Central, que juntos formam um mercado grande. Já existem cerca de 300 empresas brasileiras em Cuba em vários setores. (...) A Souza Cruz firmou contrato para estabelecer uma nova unidade de fabricação de cigarros nessa zona portuária. (...)

Não fala assim, cara. Pense nos milhares de marchadores que têm dedicado boa parte do seu tempo no combate à ditadura comunista no Brasil. Não roube a magia dessa luta!

"O Brasil emprestou até agora pra Cuba US$1,8 bi dólares. (...) Isso não é novidade, se iniciou no governo Fernando Henrique Cardoso. E não se tem notícia de um atraso sequer de pagamento de Cuba. (...) Diferente do que tem sido dito aí, nós achamos que é um movimento interessante do governo brasileiro"








































Ah, mas em vez de investir no Brasil, estão investindo em Cuba, Thomaz. Explica essa.

"Não é verdade. A verdade é que não falta dinheiro no BNDES. As secretarias estaduais, municipais, federais não conseguem aplicar todos os recursos que têm. O governo do estado de São Paulo tem R$40 bilhões em caixa e não consegue transformar em projetos. (...) Hoje, no Brasil, há uma grande dificuldade de se realizar projetos por questões ambientais, aprovações, licenças, etc"

E, para tornar tudo ainda mais ostensivamente capitalista, uma futura queda do embargo americano à Cuba faria os produtos brasileiros chegarem mais rapidamente nos EUA, o que impulsionaria fortemente a relação comercial com os companheiros yankees.

Mesmo diante desses fatos, já tem muita gente achando que a FIESP foi aparelhada pelo sindicalismo petralha e é cabeça-de-chave do Abominável Foro de São Paulo. #AcordaBrazil