Mais um caso de agressão nas Lojas Americanas

Meus queridos leitores, hoje não tem beijo no coração, não tem deboche, não tem ironia, enfim, não têm a ousadia e alegria com as quais vocês já estão acostumados. O que temos pra hoje é uma denúncia (mais uma!) contra as Lojas Americanas. Mas essa ninguém me contou, eu assisti a tudo de camarote. A foto abaixo foi palco da barbárie que será relatada a seguir.

Ontem (08/12), lá pelas 18h, um funcionário das Lojas Americanas da Av Pompeia discutia com crianças de rua que importunavam a saída dos clientes.

Em determinado momento, este mesmo funcionário jogou um enorme pedaço de pau contra uma das crianças, que desviou. As crianças continuaram ali o provocando. Não satisfeito, o funcionário saiu de dentro da loja, pegou o mesmo pau do chão e correu atrás de uma das criança, que tinha no máximo 12 anos. A criança ficou encurralada por esse alambrado azul (foto) que cerca o estacionamento, caiu no chão e começou a levar uma sequência de pauladas violentíssimas. A cena foi chocante: um homem adulto batendo com vontade numa criança deitada no chão. Só parou quando pessoas que estavam no estacionamento começaram a gritar.

Com a gritaria, uma cliente da loja saiu, se apresentou como policial e deu voz de prisão ao agressor, que correu para dentro da loja, começou a fechar os portões e nunca mais apareceu.

Mas o inacreditável é que esse tipo de coisa não é nenhuma novidade para a rede Lojas Americanas. A empresa parece estar bastante acostumada a ver seu nome envolvida nesse tipo de agressão.

Em uma breve pesquisa no Google, nos deparamos com agressões, racismo, falsas denúncias de roubos e funcionários trabalhando em condições degradantes de trabalho. Portanto, este não é um caso isolado, mas recorrente. Vejamos aqui alguns dos casos que envolvem a Lojas Americanas em diversos casos de agressão em todo o Brasil:

1) TORTURA E RACISMO : Vigilante andando pela rua é confundido com ladrão de ovo de páscoa. Seguranças o levam pra dentro da loja e o submetem a tortura. A vítima teve fratura do nariz em três regiões, fratura do crânio, deslocamento da retina e outras sequelas.

2) AGRESSÃO DE MENOR E HOMOFOBIA: um menor de 15 anos foi agredido por um segurança das Lojas Americanas do Barra Shopping, na Barra da Tijuca. Os vigilantes abordaram o jovem acusando-o de ter roubado peças. Ele negou o crime e disse que não iria para um lugar reservado por ter medo de os seguranças colocarem algo na mochila. Então, um vigilante o socou na boca e o chamou de gay

3) FALSA ACUSAÇÃO DE FURTO: uma senhora foi acusada de furtar um aparelho de celular que havia comprado em outra loja. Não adiantou nem mostrar a Nota Fiscal do aparelho, comprado em outra loja.

4) FALSA ACUSAÇÃO DE FURTO: dois amigos movem ação contra a Lojas Americanas. Eles foram acusados de roubar chocolates e convidados a visitar a sala reservada. Foram liberados após a revista.

5) FUNCIONÁRIOS TRABALHAM EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES: a unidade do Jequitibá Plaza Shopping (Itabuna - BA) foi multada por oferecer as seguintes condições a seus funcionários: "desgaste físico, estresse psicológico para acelerar o ritmo de trabalho nos caixas, equipamento inadequado dos monitores em altura irregular e cadeiras para digitação sem apoio para o antebraço.

6) FALSA ACUSAÇÃO DE FURTO, AGRESSÃO A MENOR E RACISMO: segurança acusa adolescente de furto e o agride. Depois revista a mochila do garoto, não encontra nada roubado e então decide espalhar seus pertences pelo chão da loja.

7) COBRANÇA INDEVIDA, AGRESSÃO VERBAL E FÍSICA: Cliente é cobrada idevidamente e é humilhada e agredida por gerente da loja.

8) FALSA ACUSAÇÃO DE FURTO E MÃE SENDO AGREDIDA NA FRENTE DO FILHO: mulher é agredida por seguranças que a acusaram - sem provas - de ter furtado maquiagem da loja. Mãe e filho foram levados pra uma "sala reservada". Clientes relatam ter ouvido berros da criança.

9) FALSA ACUSAÇÃO DE FURTO: mulher foi revistada pelos seguranças, que nada encontraram em sua bolsa. O que eles fizeram então? Despejaram todos os seus pertences na rua.

10) RACISMO E AGRESSÃO A MENOR: criança suspeita de furto é levada para a "sala reservada", revistada sem a presença de um adulto responsável e ainda ouviu comentários pejorativos.

11) ESCRAVIDÃO : bolivianos eram submetidos a condições análogas à escravidão em uma oficina ligada às Lojas Americanas.

Bom, percebe-se que o acontecido na unidade da Av. Pompeia não foi um caso isolado, mas recorrente. Vejamos o que a Lojas Americanas tem a dizer sobre esse padrão de atendimento. Será que terão coragem de emitir outra nota dizendo que "esse não é o atendimento padrão da rede"?

PS: Não há contexto possível que justifique um marmanjo dando pauladas numa criança. Se você está se perguntando "mas eles estavam roubando?", saiba que as pauladas do agressor te representam. Mas respondo: não, não estavam.